Instituto TIM

Tag: startup AWC

08
jun

Aceleração e parceria estão nos planos da Turnit Healthcare

Validação com usuários, aceleração e busca por parceria. Estas são as etapas que estão nos planos da startup Turnit Healthcare, de Patos de Minas-MG, para comercializar seu produto ainda este ano. Os participantes de Academic Working Capital em 2016 desenvolveram um sistema formado por sensores fixados em pacientes acamados que enviam informações para uma central gerenciadora, com o objetivo de monitorar a posição dos pacientes para evitar lesões por pressão – um problema sério e comum em hospitais, especialmente nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

A ideia inicial era construir um curativo inteligente para monitoramento das feridas, mas a equipe modificou o projeto para focar na prevenção. “É muito mais barato prevenir do que remediar”, afirma Camila Tavares Mota, diretora presidente da empresa. Ela percebeu a necessidade de uma solução para esse problema durante sua experiência trabalhando em hospitais quando cursava a graduação em Enfermagem. No curso de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), encontrou a oportunidade para desenvolver uma solução junto com os colegas Euller Moreira de Santana, Rafael Caixeta da Silva e Willian Caixeta Nunes.

Camila explica que a equipe de enfermagem muda os pacientes acamados de posição a cada duas horas, em média, para evitar lesões por pressão. “Quando a equipe está sobrecarregada ou ocorre algum imprevisto no setor, tem paciente que chega a ficar na mesma posição por mais de quatro horas. Com esse sistema, essa checagem será automática”, diz. Em 2016, o projeto conquistou o 1º lugar dentre 120 inscritos no 8º Prêmio UNIPAM de Empreendedorismo, promovido pelo Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM), Farol Incubadora de Empresas, Núcleo de Inovação Tecnológica e Sebrae/MG.

Após o encerramento de AWC, a startup se inscreveu em três programas de aceleração e foi aceita no InovAtiva Brasil, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e do Sebrae, com execução da Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI) – assim como a empresa NanoTropic, também participante de AWC 2016. A equipe está recebendo monitoria online e participou do Bootcamp Regional em Belo Horizonte-MG. Eles esperam ser aprovados para o próximo ciclo do programa e apresentar seu projeto para investidores.

O intuito da equipe era validar o protótipo em hospitais, mas devido à burocracia e aos cuidados adicionais para um ambiente tão restrito, o produto será validado inicialmente com pacientes em home care. “Nos hospitais precisa de homologação, assistência técnica, instalação de centrais… Resolvemos simplificar para ir passo a passo”, conta Camila. Os pacientes em home care receberão uma versão adaptada do equipamento, apenas com sensores e aplicativo. Para os hospitais, o produto ainda contará com um software e uma plataforma.

A startup já iniciou contato com grandes empresas da área hospitalar em busca de uma parceria para lançar o produto após a validação, que deve terminar em julho. De acordo com Camila, a parceria com uma grande empresa torna mais fácil a inserção e distribuição do produto no mercado. A equipe também pretende comercializar a versão mais simples do produto para home care e asilos, públicos identificados ao longo das atividades em AWC. “AWC fez toda a diferença na pesquisa de mercado. Nossa formação em Engenharia não abre os nossos olhos para empreendedorismo e desenvolvimento de startups”, diz Camila.

 

Últimas notícias:
E-sporte pretende faturar R$ 500 mil até o final do ano
2ª formação mostra ferramentas para entender o usuário
Workshop Online I termina com uma importante decisão

29
maio

E-sporte pretende faturar R$ 500 mil até o final do ano

Um pequeno dispositivo para monitorar o desempenho de participantes em provas de corrida e caminhada trouxe grandes planos e metas ambiciosas de faturamento para João Macêdo e João Victor Romualdo. Eles criaram o equipamento E-xpert como trabalho de conclusão de curso (TCC) da graduação em Engenharia Elétrica na Universidade de Brasília (UnB) e o desenvolveram com apoio do programa Academic Working Capital em 2016. O produto hoje faz parte do portfólio da empresa E-sporte Soluções Esportivas, que nasceu na UnB e tem João Macêdo e a educadora física Fernanda Teles como sócios, João Victor como gerente de Projeto do E-xpert e mais cinco funcionários.

Ainda quando participava de AWC, a equipe conseguiu fechar contrato com um grande cliente para utilizar o E-xpert em avaliações de corrida em pista olímpica. “Passamos o ano de 2016 inteiro conversando com clientes, então já tínhamos algumas metas de contratação até o início do ano. E foi isso que aconteceu”, conta João Macêdo. Após finalizar a participação em AWC, a dupla realizou mais ajustes no dispositivo para que ele estivesse pronto para uso no mercado. A previsão é que, ao final do primeiro semestre, o primeiro cliente já esteja com o produto em operação.

Mas a meta da equipe vai além: até o final de 2018, a expectativa é que o E-xpert esteja sendo utilizado em todo o país, seja por um ou mais clientes. “Este cliente gostaria de ter exclusividade de uso do produto, então tem a possibilidade de ele ser o único cliente para aplicá-lo em todo o Brasil”, explica o sócio da E-sporte. Mesmo se esse cenário acontecer de fato, a equipe já estuda utilizar a tecnologia do E-xpert para outras finalidades, como para rastreamento de frotas e de pessoas e para acompanhamento de cargas. “Estamos nos preparando para encontrar novas aplicações e conseguir clientes dessas áreas.”

whatsapp-image-2017-03-22-at-17-54-04

Escritório da E-sporte Soluções Esportivas, localizado na Multincubadora da UnB.

A startup ainda conta com outros produtos em seu portfólio voltados a esporte e saúde e faz projetos sob demanda para clientes de diversos setores. “A gente fica no papel de indústria, que realiza a produção, e o cliente fica responsável pela comercialização. Para nós, isso é muito bom, estamos sempre criando coisas novas”, afirma João Macêdo. O próximo lançamento oficial da empresa é o E-lastic, voltado para clinicas de fisioterapia, reabilitação e pilates. O equipamento já começou a ser comercializado e consiste em um dispositivo portátil que é acoplado a elásticos para monitorar a intensidade dos movimentos e o desempenho do usuário.

Com diversos projetos e planos a todo vapor, a meta da E-sporte de alcançar um faturamento de R$ 500 mil até o final do ano já está próxima de ser atingida. “Queremos aumentar esse faturamento em quatro vezes para o próximo ano, chegando a R$ 2 milhões”, revela João Macêdo. O engenheiro compartilhou sua experiência como empreendedor no terceiro dia do Workshop Online I de AWC 2017. Ele explicou como o protótipo do E-xpert foi decisivo na conquista do primeiro cliente e aconselhou os estudantes a aproveitarem ao máximo o apoio oferecido por AWC. “As decisões que a gente toma no dia a dia são muito baseadas no que a gente aprendeu em AWC”, diz. Confira a palestra na íntegra no vídeo abaixo.

 

Notícias relacionadas:
2ª formação mostra ferramentas para entender o usuário
Periodiza: feedbacks positivos e planos para crescer
NanoTropic inicia em dois programas de aceleração

 

20
abr

Periodiza: feedbacks positivos e planos para crescer

Os primeiros meses de 2017 foram de muito trabalho para fazer os ajustes necessários no produto da startup Periodiza e validá-lo com potenciais clientes. A equipe participou da segunda edição de Academic Working Capital, em 2016, e criou uma plataforma online que permite que personal trainers e profissionais de educação física façam a periodização de treinos de alunos de forma prática por meio do celular ou computador – uma tarefa que ainda é comumente feita no papel. Os profissionais inserem os dados dos clientes e a própria plataforma realiza os cálculos da periodização, de acordo com as características de cada aluno.

“Vimos a dificuldade dos profissionais em atender aos alunos com esse nível de personalização e quisemos viabilizar esse atendimento. Percebemos que os alunos precisavam não tanto do rigor, mas do acompanhamento personalizado e motivação”, diz João Paulo Soares, desenvolvedor graduado em Ciência da Computação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). A equipe do Periodiza também é formada pelo estudante de Engenharia de Produção na USFCar Pedro Sanches, pelo estudante de Economia Empresarial e Controladoria na Universidade de São Paulo (USP) Giovanni Ramos, pela fisiologista Luciane Tomaz, pelo programador Matheus Takata e pelo profissional de vendas Matheus Polachini.

A decisão de aumentar a equipe veio no final de AWC, para acelerar o desenvolvimento da plataforma e ter um produto viável mínimo (MVP) para a realização de testes. A plataforma, que pode ser acessada pelo site da empresa, já está sendo testada por profissionais de educação física, e a expectativa da startup é aproveitar esses contatos para fechar as primeiras vendas ainda neste semestre. “Estamos conseguindo um interesse muito grande por parte dos profissionais”, afirma Luciane. “O período mínimo para fazer um planejamento de qualidade é quatro meses, a periodização é contínua. Então acreditamos que muitos clientes terão interesse em continuar utilizando a plataforma.”

Luciane acrescenta que as melhorias realizadas até o momento são focadas na gestão da periodização de treinos, mas que ainda serão feitas mais mudanças para tornar o produto cada vez melhor para os usuários. A startup vai começar a investir em marketing, colocar um novo site no ar para interagir melhor com os clientes e buscar um profissional de design para aprimorar a usabilidade do Periodiza. “Estamos entregando as funcionalidades essenciais para o profissional gerenciar, inserir e editar dados dos clientes. Mas a gente ainda vai desenvolver mais funcionalidades para crescer e para acompanhar e facilitar tanto a prescrição de treinos para os profissionais quanto a visualização dos treinos para os alunos”, explica.

A equipe também está acompanhando e se inscrevendo em alguns editais e programas de aceleração e apoio a startups. Luciane se mudará em maio para o Canadá e pretende buscar parcerias no país para o Periodiza. Essa não seria a primeira experiência internacional da empresa. Em abril de 2016, com o apoio de AWC, a equipe levou seu projeto para uma das sedes da Microsoft Ventures nos Estados Unidos e foi o primeiro grupo brasileiro a participar da competição International Business Model Competition, voltada a startups formadas por universitários de diversos países. “Nunca imaginei que em tão pouco tempo na minha vida teria uma oportunidade tão grande”, diz Pedro.

 

Últimas notícias:
NanoTropic inicia em dois programas de aceleração
AWC realiza 1ª formação para professores de Etecs e Fatecs
Apresentações dos projetos encerram Workshop I

 

07
abr

NanoTropic inicia em dois programas de aceleração

Quatro meses depois de encerrar a participação na segunda edição de Academic Working Capital, em 2016, o grupo NanoTropic já abriu empresa e está começando dois processos de aceleração. A equipe composta por Leonardo Kalinowski, Yuri Matos e Gustavo Suckow, formados em Engenharia Mecânica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), desenvolveu um nanoaditivo bactericida que pode ser aplicado em embalagens e outros materiais para torná-los mais resistentes a micro-organismos.

Nos primeiros meses do ano, a equipe curitibana se dedicou a realizar melhorias tecnológicas para tornar o produto e o processo de produção ainda mais eficientes, além de começar a validá-lo com potenciais clientes. “Temos um primeiro cliente de Curitiba que aprovou e quer comprar o produto, inclusive nos mandou sua demanda inicial. Mas ainda não conseguimos produzir para ele, nossa capacidade de produção é pequena”, conta Leonardo. Esse foi mais um incentivo para que eles buscassem ajuda para expandir o negócio. “Quando saímos de AWC, vimos o quão bom é ter alguém nos ajudando, o quanto alavancou a empresa e o projeto”, diz.

A startup se inscreveu em programas de aceleração e foi aprovada em três. Eles escolheram dois deles para participar: ACE Start, da aceleradora ACE, e InovAtiva Brasil, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e do Sebrae, com execução da Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI). O programa ACE Start começou no dia 3 de abril com uma semana de palestras e aulas sobre empreendedorismo em São Paulo (SP). Em Curitiba, a equipe receberá mentoria para estabelecer metas e validar o negócio. Se passar desse primeiro estágio, a startup poderá participar do programa ACE Growth, que oferece um investimento de até R$ 150 mil e acesso a outros investidores.

Já o programa InovAtiva Brasil oferece capacitação e mentoria para startups. A equipe já teve duas sessões online com seu mentor, e a próxima será presencial. Ao longo do programa, as startups que mais se destacarem irão apresentar seu projeto a investidores e poderão ser selecionadas para receber recursos e suporte do programa e de parceiros. “Isso dará uma visibilidade grande para nós”, acrescenta Leonardo.

A startup está construindo um plano de negócios mais detalhado e definindo estratégias para apresentar o produto da melhor maneira possível a investidores e clientes. O próximo passo é concluir a primeira venda e estabelecer uma produção viável do produto. “Ainda neste semestre ou no próximo queremos abrir uma fábrica e fechar com os primeiros clientes”, comenta Leonardo.

img-20170403-wa0006

Leonardo e Gustavo em uma das atividades do programa ACE Start.

 

Últimas notícias:
Inscreva-se para a 2ª chamada de AWC 2017
AWC amplia público para alunos de Etecs
Apresentações dos projetos encerram Workshop I