Instituto TIM

Tag: Manoel Horacio

20
jul

Workshop II: investidores conhecem projetos de AWC 2017 em Feira

O último dia do Workshop II de Academic Working Capital 2017, em 19 de julho, iniciou com uma sessão de flipped classroom. Divididos em duas salas de aula do prédio de Engenharia Mecânica e Naval da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), os grupos se reuniram com seus respectivos coordenadores de AWC para apresentar hipóteses sobre suas soluções e os testes e experimentos que pretendem fazer com potenciais clientes e usuários para validá-las. Os coordenadores e colegas também contribuíram com sugestões e feedbacks.

Saiba o que aconteceu no primeiro e no segundo dia do Workshop II

De volta ao auditório, os estudantes assistiram a uma palestra de André Ghion, co-fundador da aceleradora Move2, que mencionou características de um negócio que atraem investidores. “O investidor está, basicamente, atrás de gente que faça, que consiga executar um sonho, uma ideia, um projeto de alguém, que não precisa ser o seu, e transformar em realidade”, disse. Dentre os pontos destacados, estão a inovação, a escalabilidade e a sustentabilidade do negócio. Além disso, uma startup precisa ter a demanda e o modelo de negócio minimamente validados e conquistar os primeiros clientes para ter mais chances com os investidores. “O mais importante é a sustentação da história da sua startup, se ela tem consistência. Toda vez que um investidor olha uma inconsistência, ele dá um passo para trás.”

As próximas horas do dia foram dedicadas ao preparo dos materiais para apresentação dos grupos na Feira Intermediária de Investimentos. Cartazes, protótipos, imagens, vídeos e desenhos dos projetos foram expostos em totens no hall de entrada do prédio de Engenharia Mecânica e Naval. Os grupos puderam apresentar suas soluções a investidores, professores da USP e outros profissionais convidados. Dentre eles, compareceram Roberto Sekiya, subsecretário de Empreendedorismo e da Micro e Pequena Empresa do Estado de São Paulo; Rafaela Herrera, analista de Operações da Startup Farm; Marco De Biasi, sócio-diretor da Latin American Angels Society (LAAS); Marco Poli, investidor-anjo da Anjos do Brasil; e Manoel Horacio, presidente do Instituto TIM.

Confira a cobertura do Workshop II também pelo Twitter

“Eu acompanho AWC desde o ano passado, e a gente está vendo uma evolução e o quão importante é esse programa, porque todo o projeto tem incentivado e até instigado mais os jovens a descobrir soluções inovadoras”, disse o subsecretário. “Eu acho que é um papel muito importante, porque no Brasil a gente tem um gap muito grande ainda entre o que é produzido dentro das universidades e as necessidades do mercado. Então é muito legal ver como a gente já tem projetos que estão tentando fomentar essa ponte e ensinar os alunos desde já a pensar em tecnologias e soluções que ajudem a resolver problemas reais do mercado”, comentou Rafaela.

Após a Feira, os coordenadores de AWC, Marcos Barretto e Diogo Dutra, agradeceram a todos os presentes e explicaram quais serão os próximos passos do programa. Roberto Sekiya e Manoel Horacio também deram depoimentos durante o encerramento. “Vocês estão começando e já têm ideias fabulosas, ideias algumas que eu até falei que em curto prazo são mais difíceis, mas vocês têm uma visão de futuro fabulosa, que a minha geração não teve”, afirmou o presidente do Instituto TIM.

Os grupos continuarão tendo monitorias semanais até dezembro, quando ocorrerá o Workshop III e a Feira de Investimentos. O Workshop Online II será realizado em outubro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Notícias relacionadas:
AWC: vendas e operação no 2º dia do Workshop II
Papel do monitor fecha formação de AWC com Etecs
Conselho Consultivo discute estratégias para AWC

 

 

15
dez

Feira de Investimentos encerra edição de 2016 de AWC

A Feira de Investimentos AWC marcou o final da segunda edição do programa Academic Working Capital. O evento aconteceu no dia 14 de dezembro no Parque Tecnológico do Estado de São Paulo e contou com a presença do chefe de gabinete da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (SDECT) do Estado de São Paulo, Maurício Juvenal; do presidente do Instituto TIM, Manoel Horacio; do vice-presidente de Estratégia e Inovação da TIM, Luis Minoru Shibata; e de investidores, professores, estudantes e interessados.

Saiba como foi o primeiro e o segundo dia do Workshop III de AWC 2016

Na abertura do evento, Manoel Horacio parabenizou os grupos pelos projetos e disse que espera que eles ajudem a desenvolver ainda mais o país. “Fico encantado com as ideias de vocês, e o que temos que fazer é multiplicar esses esforços pelo nosso país”, comentou. O chefe de gabinete da SDECT mencionou alguns projetos que serão realizados no próximo ano para fomentar a inovação tecnológica em São Paulo e falou do papel do Estado como um facilitador para o desenvolvimento de projetos como os apresentados em AWC. “É um motivo de felicidade para nós podermos abrigar mais uma vez esse evento.”

A primeira palestra do dia foi conduzida pela fundadora e CEO da startup B2Blue, Mayura Okura. A B2Blue é uma plataforma que conecta empresas e indústrias que geram um grande volume de resíduos com outras que têm interesse em comprar esses resíduos para utilizá-los como matéria-prima de produtos. Além de apresentar o trabalho da startup, Mayura compartilhou com o público os desafios e a sua paixão pelo empreendedorismo. “Se você não tiver prazer, todos os problemas que vão aparecer podem fazer você desistir ou achar que não é possível, que isso não pode acontecer. Então você tem que ter um propósito: o que vocês querem fazer e estão fazendo para o futuro? Essa paixão é muito importante”, afirmou.

Em seguida, Mayura se juntou ao professor Marcos Barretto, coordenador acadêmico de AWC, e aos estudantes Marcus Farias e João Macêdo Júnior (participantes do programa em 2016) para um painel com o tema “O que aprendi no AWC”. Os estudantes falaram de sua experiência no programa e dos próximos passos para seus projetos. Após o painel, o engenheiro mecatrônico e coordenador de conteúdo de AWC, Diogo Dutra, anunciou a abertura da Feira de Investimentos, na qual os 14 grupos apresentaram seus projetos aos investidores e convidados em estandes.

Veja destaques da Feira de Investimentos no Twitter

O investidor-anjo da Anjos do Brasil Marco Poli explicou em sua palestra as diferenças entre empreender no Brasil e nos Estados Unidos e que, mesmo com diversos obstáculos que os empreendedores brasileiros enfrentam, há vantagens e desvantagens em ambos os países. Poli destacou mercados e países pouco valorizados pelos brasileiros e que podem gerar um grande potencial de negócio. “Persigam oportunidades que são reais e que vão te dar retorno, e que são completamente diferentes das oportunidades que você vai achar lá fora. Isso não significa que você vai fazer um produto que só serve para o Brasil. Significa que você vai usar o Brasil como fonte de receita e trampolim de crescimento”, recomendou.

Cinco grupos que se destacaram durante o ano foram convidados a apresentar seus projetos em uma rodada de pitches. A banca avaliadora foi composta pelo sócio da startup Lean Survey Fernando Salarori; a cofundadora da Baita Incubadora Rosana Jamal; o professor da Escola Politécnica da USP Fernando Fonseca Josepetti; e o administrador e matemático Daniel Barzilay. Os projetos apresentados foram Nanotropic, um nanoaditivo que transforma plásticos e polímeros em materiais antimicrobianos; Fusion, uma máquina de serigrafia automática para canetas; Staat, um equipamento eletrônico que identifica com precisão a cor dos dentes; E-xpert, um sistema de rastreamento contínuo para monitorar o desempenho de atletas; e Turnit, um sistema que monitora as posições de pacientes acamados para evitar o aparecimento de úlceras por pressão.

No final do evento, Luis Minoru falou aos convidados sobre a importância de AWC para a TIM Brasil e deu dicas aos grupos de estratégias para apresentar seus projetos. Ao longo do ano, o diretor contribuiu com o programa conduzindo coachings com alguns grupos. Ele acrescentou que considera muito importante o exercício do pitch, algo que ele faz constantemente ao apresentar a TIM Brasil a possíveis acionistas. “Comecem com um punchline. Tem que ter um número forte, uma razão forte, porque vocês vão ser um em meio a vários”, aconselhou.

As inscrições para a edição de 2017 de AWC estão abertas até o dia 19 de dezembro. Saiba mais aqui.

Este slideshow necessita de JavaScript.

24
nov

Conselho Consultivo AWC se reúne pela primeira vez em SP

Na manhã de 23 de novembro, o Conselho Consultivo do programa Academic Working Capital se reuniu pela primeira vez, em uma sala da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, em São Paulo (SP). A instância, que reúne investidores, empreendedores e grandes nomes do mercado, tem como objetivo avaliar as trajetórias dos grupos de AWC e sugerir caminhos possíveis para o desenvolvimento dos negócios e do programa em si.

Além do presidente do Instituto TIM, Manoel Horacio, e da equipe do programa, participaram da reunião o investidor-anjo e sócio-diretor da Antera Gestão de Recursos André Massa; o fundador da Performa Investimentos e sócio-gerente do Fundo Mútuo de Investimento em Empresas Emergentes Inovadoras Eduardo Grytz; e a empreendedora Silvia Takey, responsável pela administração e gestão de projetos da DEV Tecnologia.

O professor da USP e consultor acadêmico de AWC, Marcos Barretto, abriu a reunião com as boas-vindas aos conselheiros. Depois, Manoel Horacio apresentou o Instituto TIM e suas iniciativas. Ele salientou que, com AWC, o Instituto TIM trabalha com o momento da “ovulação” de projetos que futuramente poderão se tornar startups. “Há uma discrepância entre a universidade e o mercado prático. Essa integração precisa ser feita”, afirmou o presidente do Instituto TIM. “Nossa missão é tentar ajudar o Brasil a se desenvolver.”

Marcos Barretto e o engenheiro mecatrônico Diogo Dutra, consultor de conteúdo de AWC, apresentaram o programa, suas etapas e princípios: os tipos de tecnologias apoiadas, como é feita a seleção das propostas, as ferramentas utilizadas durante o programa. “Nosso objetivo é transformar esse momento da vida do jovem em um momento de decisão de carreira. Prover aquilo que mais lhe falta: visão de dinheiro e orientação”, explicou Marcos.

Após ouvir sobre o programa, os conselheiros deram seus feedbacks. Silvia Takey disse que a parte que mais lhe chama a atenção em AWC é a segmentação entre hard tech (máquinas), meca tech (projetos que unem eletrônica e mecânica) e soft tech (softwares) − os grupos seguem trilhas diferentes de acordo com essa classificação. “Falta trilha hard e meca, que a engenharia exige, em todos os programas. Eu mesma senti falta disso”, contou. “O processo de seleção também é interessante, com foco na qualidade da equipe, na inovação, que é o que realmente precisa.”

André Massa comentou que o programa pode ser um catalisador se conseguir pegar o tempo de desenvolvimento de soft tech, que é de 6 meses a 1 ano, e replicar para outros segmentos. Já Eduardo Grytz sugeriu, entre outros aspectos, a colocação de metas internas. “Você precisa colocar o seu programa como O programa, e as suas ferramentas como AS ferramentas”, salientou. “Qual é o nosso objetivo, quem é o nosso concorrente em termos de programa?”

Após a coleta de feedbacks, Marcos e Diogo apresentaram 10 grupos participantes de AWC 2016. Depois, os conselheiros foram convidados a conversar com os estudantes, compartilhar orientações e dicas. “Todos os projetos com quem eu falei têm altíssimo nível, tem pegada”, afirmou Eduardo Grytz.

Para os estudantes, foi um momento importante de troca. Rodrigo França Soares, do grupo MBrace (seu produto é uma solução automatizada para gestão de homecare, que permite o monitoramento de pacientes, o controle de funcionários e a logística de material) recebeu um bom feedback de Eduardo. “Ele disse que o nosso grupo é o único que está preocupado com o cuidador e não só com o paciente e que vê futuro no negócio”, contou. “Disse para focar nos testes e que vai nos passar o contato de um homecare grande aqui de São Paulo.”

As reuniões do Conselho Consultivo AWC acontecerão duas vezes por ano.

Este slideshow necessita de JavaScript.

20
jul

Operações em pauta no Workshop II

O presidente do Instituto TIM, Manoel Horacio, abriu o segundo dia do Workshop II de Academic Working Capital, em 19 de julho. Ele compartilhou com os estudantes um pouco de sua trajetória profissional, desde quando começou a trabalhar aos 11 anos como entregador de encomendas em um armazém até atualmente, como presidente do Instituto TIM e membro de conselhos de empresas. “Meu pai foi jardineiro a vida toda e minha mãe foi empregada doméstica. Eu ralei muito, assim como vocês fazem agora, para poder chegar à presidência de uma empresa”, disse. Manoel Horacio falou sobre atitudes que todo empreendedor deve ter, como persistência, criatividade, ética, foco e comprometimento com o projeto e o grupo. “Tem que começar pequeno e pensar grande”, recomendou.

Saiba como foi o primeiro dia do Workshop II de AWC

O dia foi dedicado a atividades relacionadas à operação dos negócios. A segunda palestra no auditório do prédio de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) foi conduzida por dois diretores da Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE). Antonio Carlos Fonseca, diretor Administrativo e Financeiro, explicou três tipos de contratação de colaboradores – CLT, autônomo e pessoa jurídica – e os pontos de atenção na hora de calcular os custos para abrir uma empresa, reforçando a importância de ter um contador. O diretor de Desenvolvimento de Negócios, Enio Blay, apontou as diferenças e benefícios entre os ambientes de coworking, incubadora e aceleradora.

Em seguida, Silvia Takei, sócia e diretora de Operações da startup DEV Tecnologia, contou a história da empresa e os desafios enfrentados ao longo dos anos. Da criação de um equipamento tecnológico para pesquisa em psicologia na USP ao desenvolvimento de produtos e soluções na área de Internet das Coisas para grandes empresas, os quatro sócios da DEV Tecnologia passaram por diversas situações comuns para quem está começando a empreender: a burocracia para registrar a empresa, a busca por parceiros para ampliar as vendas, a tomada de decisões em relação à expansão dos negócios, entre outras. “Em uma startup, o processo de planejamento é diferente. Pelo menos no começo, a incerteza é muito grande. Você faz um planejamento de três anos e, no próximo mês, ele não vale mais nada.”

Acesse o Twitter e confira outros destaques do Workshop II

Na última palestra do dia, o sócio-diretor da Antera Gestão de Recursos, Andre Massa, explicou as diferentes opções de financiamento, ressaltando que nem todo modelo de negócio precisa do apoio de um fundo de investimento. “Captar recursos é sua última estratégia”, disse. “É um passo mais à frente. Antes disso, você tem outras opções.” Andre detalhou os tipos de empreendedorismo e as etapas necessárias para desenvolver um negócio inovador e escalável. “Tem que parar de ter empreendedores de PowerPoint para ter empreendedores que geram negócios. E, para esses, tem um monte de gente que quer investir dinheiro.”

O coordenador de conteúdo de AWC, Diogo Dutra, conversou com os participantes sobre pontos essenciais para a operação de uma startup: processos de documentação, estrutura organizacional e planejamento sistemático. Os grupos participaram de uma feira interna em que seus componentes se revezaram tanto para apresentar seu projeto quanto para conhecer os outros projetos de AWC, trocando feedbacks. Eles ainda se reuniram para discutir como vão estruturar o crescimento de seus negócios, o que será necessário para operar os recursos-chave da empresa e mapear os custos em curto prazo e para daqui a três, seis e nove meses.

Este slideshow necessita de JavaScript.

18
dez

AWC promove Feira de Investimentos

A edição de 2015 do programa Academic Working Capital foi encerrada com a Feira de Investimentos AWC, realizada no dia 17 de dezembro no Parque Tecnológico do Estado de São Paulo. Após três dias de preparo no Workshop II, os grupos tiveram a oportunidade de apresentar seus projetos a investidores e convidados. O presidente do Instituto TIM, Manoel Horacio, visitou os estandes de todos os grupos e fez a abertura do evento.

“Fiquei extremamente animado ao ver a demonstração das ideias”, afirmou. “Tem gente nova, criando coisas novas e acreditando no futuro, e é disso que o Brasil precisa”. Sérgio Costa, diretor de Desenvolvimento de Negócios e Relações Institucionais da Investe SP, deu sequência à abertura da Feira. Ele falou aos convidados sobre o apoio da Investe SP a AWC e a importância do empreendedorismo. “Você tem que empreender em todas as áreas da sua vida, ser inovador, buscar soluções, lidar com incertezas”, declarou.

A Feira também contou com a presença do vice-presidente de Estratégia e Inovação da TIM, Luis Minoru Shibata. “A inovação se manifesta de diversas formas, aqui estamos vendo uma delas. Estar presente no ecossistema de inovação e contribuir para que ela aconteça no Brasil são alguns de nossos objetivos principais”, disse à reportagem.

O primeiro palestrante do dia, Renato Freitas, falou sobre sua trajetória como cofundador das startups Ebah e 99Taxis. Renato explicou os nove maiores aprendizados que teve como empreendedor, como encontrar os sócios e colaboradores ideais, entender as necessidades do cliente e pensar no propósito do negócio. “Geralmente se começa uma startup com uma ideia muito específica. Mas será que ela estará aqui daqui a dez anos?”, questionou.

Confira a cobertura do primeiro, segundo e terceiro dia do Workshop II.

A segunda palestra, já no final da tarde, foi conduzida por Álvaro Novaes, fundador e CEO da Futurojá Angels Asset Management. Por meio de imagens, vídeos e exemplos de histórias reais, Álvaro ressaltou que os empreendedores devem ter um propósito, paixão pelo que fazem e enxergar além do que os outros veem. “Vocês terão sucesso como empreendedores à medida em que usam a tecnologia a serviço da raça humana”, afirmou.

Além de apresentar seus projetos em estandes na Open Fair, realizada no período da tarde, os grupos participantes de AWC prepararam pitches de cinco minutos para explicar a criação de seus produtos e o plano de negócios desenvolvido. As apresentações foram divididas em dois momentos para bancas avaliadoras diferentes, compostas por empreendedores, investidores e especialistas na área. Após os pitches, os integrantes das bancas fizeram comentários, perguntas e sugestões aos estudantes.

Os avaliadores foram Marco Poli, investidor da Anjos do Brasil; Fernando Salatori e Alessandro Andrade, fundadores da startup Lean Survey; Rogério Nogueira, CEO da Weka e sócio das startups Colaboradores e Captr; Felipe Gasko, coordenador nacional do programa Promessas Endeavor; Ana Lúcia Fontes, fundadora da Rede Mulher Empreendedora; André Mainart, diretor de Inovação e Incubação de Negócios da Stefanini; André Ghion, co-fundador da aceleradora Move2; Raul Javales, sócio fundador da consultoria KeenLab; Leandro Queiroz, consultor da Escola de Negócios do Sebrae; e Marcos Simões, fundador da startup BigoClub.

O evento foi encerrado pelos coordenadores do programa, Marcos Barretto e Diogo Dutra.

Este slideshow necessita de JavaScript.