Instituto TIM

Tag: Henry Suzuki

25
set

Workshop Online II dá início à etapa final de AWC 2017

O Workshop Online II de Academic Working Capital apresentou aos 25 grupos a última etapa do programa: a do teste do modelo de negócios. Os estudantes participaram do primeiro dia do Workshop Online II, em 23 de setembro, direto de suas cidades, por meio de plataformas como Google Hangouts, Google Drive e Slack. Além da equipe de AWC, o evento online contou com as palestras de Rafael Gonçalves, fundador da empresa Tegris, e Henry Suzuki, sócio-diretor da consultoria tecnológica Axonal.

Os coordenadores de AWC, Marcos Barretto e Diogo Dutra, deram as boas-vindas e explicaram como será a etapa final do programa. “Vamos parar de pensar um pouco em problema e solução e pensar em uma estrutura bem séria do que é o negócio de vocês e como vocês vão fazer para, depois de AWC, mantê-lo vivo”, disse Diogo. Os coordenadores apresentaram os elementos do Business Model Canvas, falaram sobre estratégias de primeira venda e operação para entrega de valor e introduziram dois novos decks, que os grupos já começaram a preencher e apresentar: o de teste do modelo de negócios e o de experimentos de negócios.

workshop-online-ii_marcos-barretto1

Na primeira palestra do dia, Rafael Gonçalves mostrou como empresas que buscam escalabilidade podem montar uma estrutura de capital, explicando modelos de receita como investimento profissional, crowdfunding e venda ou saída estratégica. Ele apresentou diferentes métricas para entender o desempenho do negócio e utilizar como base comparativa no mercado, demonstrando a tração da empresa – a capacidade de gerar lucro de forma previsível. “Existem muitas métricas para startups, mas a tração é o que todo mundo entende em qualquer lugar do mundo”, destacou.

workshop-online-ii_rafael-goncalves

Henry Suzuki enfatizou a importância de se planejar em relação à propriedade intelectual do produto, com foco em patente. “Quem tem que entender de propriedade intelectual não é advogado, não é consultor externo, é a sua equipe”, afirmou. A patente tem um peso positivo no momento de fechar contratos e buscar investidores, já que garante que o produto não será copiado por outra empresa por um período definido. Henry detalhou o que significa uma patente, como definir sua cobertura e iniciar o processo de patenteamento e citou aplicações práticas, além de responder dúvidas dos estudantes.

Marcos e Diogo encerraram o dia relembrando o que é esperado dos grupos até a Feira de Investimentos, em 13 de dezembro. Até o segundo dia do Workshop Online II, em 7 de outubro, os grupos deverão subir os decks atualizados no Drive, realizar os 15 primeiros contatos com possíveis clientes para dar início ao funil de vendas e continuar trabalhando no protótipo de função crítica de suas soluções.

workshop-online-ii_diogo-dutra

 

Notícias relacionadas:
Experimentos e protótipos são processo-chave para aprimorar solução
Equipe de AWC se reúne para discutir desempenho dos grupos
Workshop II: investidores conhecem projetos de AWC 2017 em Feira

 

16
dez

2º dia de Workshop: vendas e patente

O segundo dia do Workshop II do programa Academic Working Capital teve como tema Marketing, Vendas e Operações (saiba como foi o primeiro dia). Quem abriu os painéis do dia 15 de dezembro foi o coordenador de conteúdo do programa, Diogo Dutra, que conversou com os participantes sobre canais e estratégias de vendas. Diogo explicou formas de precificar os produtos, mensurar as expectativas de vendas e adquirir e reter clientes.

Miguel Chaves, sócio da consultoria em inovação e design CAOS Focado e fundador da empresa digital de educação Podd, utilizou diversos exemplos de empresas para falar sobre estratégias comerciais para os públicos B2C (clientes finais) e B2B (empresas), modelos de prospecção online e offline, posicionamento de marca e relacionamento com os clientes. “O posicionamento não está só em como o cliente vê sua marca, mas também em como ele trabalha e se relaciona com você”, explicou.

Durante a tarde os estudantes conheceram mais sobre o conceito de propriedade intelectual, com foco em patentes. Henry Suzuki, sócio-diretor da consultoria tecnológica Axonal, comentou sobre os obstáculos enfrentados no Brasil para a concessão de patentes e a necessidade de realizar estudos e um mapeamento completo de todos os segmentos que envolvem o produto antes de patenteá-lo. “Não dá para ser um país tecnológico trabalhando no escuro”, afirmou. Os participantes também tiraram muitas dúvidas sobre os requisitos para patentear um produto e as diferenças entre patentes no Brasil e em outros países.

Em seguida, a advogada Paula Tonani, sócia-fundadora da Tonani Advogados, falou sobre os cuidados legais que as pequenas empresas precisam tomar para escolher o tipo societário e o regime tributário, contratar funcionários e proteger a marca e as patentes. “A legislação no Brasil é complicada, mas não é um bicho de sete cabeças”, ressaltou. “Aquelas cautelas que parece que ninguém quer ter, quem é mais novo tem que ter três vezes mais. Uma reclamação trabalhista pode ser mortal para pequenas empresas.”

Os grupos ainda tiveram dois momentos no dia para discutir e desenvolver seu plano de ação para a Feira de Investimentos AWC e ouvir os feedbacks dos colegas e monitores. A Feira de Investimentos será aberta ao público e acontece no dia 17 de dezembro das 9h às 22h no Parque Tecnológico do Estado de São Paulo. As inscrições são gratuitas – basta enviar o nome completo e o telefone para o e-mail awc@institutotim.org.br.

Este slideshow necessita de JavaScript.