Instituto TIM

Tag: empreendedorismo

07
dez

Grupos de AWC 2017 se preparam para a Feira de Investimentos

As últimas semanas estão sendo corridas para os grupos de Academic Working Capital 2017, mas por um bom motivo: eles estão se empenhando para apresentar seus projetos da melhor forma possível na Feira de Investimentos. Neste ano, o evento que marca o encerramento da edição será realizado no dia 13 de dezembro, a partir das 10h, no Parque Tecnológico do Estado de São Paulo (São Paulo-SP). Os grupos terão a oportunidade de apresentar suas soluções em estandes individuais para investidores e outros players do mercado, e os cinco grupos que se destacaram no ano farão pitches a uma banca de especialistas convidados.

Inscreva-se gratuitamente para participar da Feira de Investimentos AWC 2017

André Perez e Luíza Zuvanov estão coletando feedbacks sobre a plataforma BeThink para aprimorar a solução até o dia da Feira. Os estudantes de Engenharia Elétrica na Universidade de São Paulo (USP) e Ciências Biológicas na Universidade de Brasília (UnB) criaram uma ata de laboratório eletrônica e mobile para auxiliar e melhorar a produtividade de cientistas e pesquisadores. Dez laboratórios do Instituto de Ciências Biomoleculares da USP e três laboratórios do Instituto de Ciências Biológicas da UnB estão testando o produto.

Uma das dificuldades da dupla é mostrar para quem está fora do ambiente acadêmico os benefícios da solução. Na Feira, André e Luíza pretendem disponibilizar um smartphone ou computador para que os visitantes possam navegar pela plataforma e conhecer suas funcionalidades. Eles também estão elaborando uma identidade visual mais chamativa e estudando a melhor abordagem para o pitch, caso sejam selecionados. A expectativa é chamar a atenção de pelo menos um investidor. “Quando falamos em investidor, não necessariamente falamos em dinheiro”, explica André. “É alguém que possa ajudar com inputs, orientações, que abrace o projeto.”

awc_tim_07-2017_1428

Por sua vez, o grupo Colloc tem o pitch na ponta da língua, mas está pensando na melhor forma de apresentar a solução em seu estande. A equipe formada pelos estudantes de Engenharia Civil Vitor Leineker e Guilherme Pereira e de Ciência da Computação Naian Barros e Guilherme Lopes, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), já realizou pitches em eventos ligados a empreendedorismo – inclusive, o grupo conquistou o 6º lugar no Demoday Paraná 2017, promovido pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano do Paraná.

A plataforma Colloc permite que empresas disponibilizem e aluguem equipamentos pesados de construção civil. Até o momento, há cerca de 15 clientes e 80 equipamentos cadastrados para locação na plataforma. Mais de 20 aluguéis já foram realizados com a solução, e o grupo recebe uma comissão em cima de cada operação. Uma das estratégias dos estudantes para a Feira é tentar gravar depoimentos dos clientes em vídeo para apresentar no estande. “Preparamos um material gráfico muito bom, melhoramos a nossa marca”, conta Vitor. O grupo pretende aproveitar a Feira para fazer contatos que possam ajudar a expandir a operação do Colloc para São Paulo futuramente.

 

 

Notícias relacionadas:
Fusion e NanoTropic: aprendizados na Feira de Investimentos 2016
Expectativas em alta para a Feira de Investimentos
Participe da Feira de Investimentos AWC 2017

30
nov

HES fecha contrato para testes com hospital de Guaratinguetá

O que começou como um projeto de terminais de recarga para veículos elétricos se transformou em um sistema de controle automatizado do ar-condicionado em hospitais, que já fechou contrato com um early adopter. A pivotagem foi o que André Cobello e Thaís Schavarski precisavam para retomar o gás em Academic Working Capital 2017 com um produto cheio de potencial. Ambos são estudantes da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Guaratinguetá-SP – André estuda Engenharia Elétrica, e Thaís, Engenharia Civil.

Ao fazer as entrevistas de validação de seu produto inicial, o EV Charger, a dupla percebeu que o mercado de carros elétricos ainda é muito restrito no Brasil. “Talvez seja um projeto para outro momento, mas não para agora”, diz André. Como Thaís desenvolveu um projeto de automação residencial em seu curso e André tem bastante contato com alunos que atuam no laboratório de eficiência energética da Unesp, eles pensaram em criar uma solução que unisse as duas áreas. Foi assim que surgiu o HES – Healthy Energy Solutions, um sistema que monitora a temperatura ambiente e a presença de pessoas no local para ajustar os aparelhos de ar condicionado de forma automática, eficiente e inteligente.

“Nós recomeçamos o processo para validar a ideia com as entrevistas. Conversamos com bastante gente, vimos que fazia sentido e seguimos em frente”, explica André. O foco inicial do grupo é a área hospitalar, e um dos entrevistados já topou fechar um contrato para testar o protótipo da solução. O Hospital Maternidade Frei Galvão, de Guaratinguetá, gostou da ideia desde a primeira conversa e vai bancar a construção do protótipo, que deve ser colocado em teste em alguns ambientes do hospital até o início de dezembro.

E outros planos já estão na mira da dupla. “Nossa meta é ter pelo menos mais um contrato assinado até o final do ano”, conta André. O grupo também entrou em um processo seletivo para instalar a empresa no Parque Tecnológico de São José dos Campos, se inscreveu para uma vaga no programa Experiência Hardware Startups, da We Fab, e já está pesquisando possibilidades de investimento, como os oferecidos pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

André e Thaís também estão se preparando para a Feira de Investimentos AWC 2017, com grandes expectativas. “Mesmo na Feira Intermediária as pessoas já tiveram interesse, fizeram bastante perguntas. Muita gente falou que quer ver como o projeto estará no fim do ano. Isso deu aquela motivada na gente”, diz André.

Você pode se inscrever gratuitamente para participar da Feira de Investimentos aqui no site. O evento acontecerá no dia 13 de dezembro, a partir das 10h, no Parque Tecnológico do Estado de São Paulo (São Paulo-SP).

 

 

Notícias relacionadas:
RT AirQual: plataforma de qualidade do ar é testada em pontos de Londrina
Solução do grupo Detec tem testes garantidos com dois parceiros
Dear Grand desenvolve solução para famílias de pessoas com Alzheimer

27
nov

Fusion e NanoTropic: aprendizados na Feira de Investimentos 2016

A Feira de Investimentos é o evento final de Academic Working Capital – ao mesmo tempo, é o passo inicial para que os grupos entrem de vez no mercado. Os estudantes apresentam seus projetos em estandes, e os cinco grupos que se destacaram no ano fazem um pitch a uma banca de especialistas convidados. Para as startups Fusion e NanoTropic, participantes de AWC 2016, essa é uma experiência que traz muitos aprendizados.

Inscreva-se gratuitamente para participar da Feira de Investimentos AWC 2017

Leandro Rodrigues e Pedro Morais, da Fusion, contam que prepararam uma apresentação formal de três minutos para os visitantes de seu estande – mas a dupla de Divinópolis-MG foi surpreendida no evento. “Foi um bate-papo, as pessoas interrompiam para fazer perguntas. Foi muito melhor do que se tivéssemos falado por três minutos sem ter feedback”, relembra Pedro. “Mostra que houve interesse do pessoal, não foi algo robotizado. Nos sentimos mais preparados e empolgados ainda”, acrescenta Leandro.

_W1A4914

A maturidade que o grupo adquiriu com a Feira foi o que Gustavo Suckow, do NanoTropic (Curitiba-PR), considera um dos maiores aprendizados. “Foi a primeira interação desse tipo que tivemos e foi muito boa”, diz. “Vimos que era isso que queríamos fazer.” Por meio dos feedbacks recebidos, Gustavo e seus colegas Leonardo Kalinowski e Yuri Matos perceberam o que teriam que aprimorar no projeto para atrair mais investimentos.

As duas startups foram escolhidas para apresentar um pitch no evento. Gustavo comenta que essa oportunidade contribuiu bastante para que o NanoTropic melhorasse seu pitch. “Estamos bem mais profissionais”, afirma. Quando Leandro e Pedro souberam que eram um dos grupos selecionados durante o Workshop III, voltaram para o hotel e ensaiaram a apresentação por mais de 2 horas. “Tinha pessoas no programa de aceleração que participamos [FIEMG Lab] que nunca tiveram essa experiência na prática. O que a gente aprendeu lá não tem preço”, diz Leandro.

Para os grupos de 2017, Leandro e Pedro recomendam aproveitar a Feira para fazer o máximo de contatos possível. “Às vezes ficávamos com vergonha de chamar algumas pessoas para conversar, mas não tem que ter medo. Tem que chamar e pedir feedback”, aconselha Pedro. Fazer o pitch de uma forma clara, pontuando bem o problema a ser resolvido e a solução proposta, é a dica de Gustavo para os grupos que forem selecionados para se apresentar. “Os números do mercado e outros detalhes são importantes, mas tem que mostrar que a solução é boa, inovadora e que o mercado vai comprar.”

Neste ano, a Feira de Investimentos acontece no dia 13 de dezembro, a partir das 10h, no Parque Tecnológico do Estado de São Paulo (São Paulo-SP). Participe!

 

 

Notícias relacionadas:
Expectativas em alta para a Feira de Investimentos
Participe da Feira de Investimentos AWC 2017
Do projeto de TCC a uma oportunidade de negócio

23
nov

Expectativas em alta para a Feira de Investimentos

As expectativas para a Feira de Investimentos de Academic Working Capital 2017 estão altas não só entre os grupos, mas também entre investidores. Marco Poli, investidor-anjo da Anjos do Brasil, já participou como palestrante nos workshops do programa, acompanhou as Feiras de Investimentos de 2015 e 2016 e pretende prestigiar a edição deste ano, que acontecerá em 13 de dezembro, a partir das 10h, no Parque Tecnológico do Estado de São Paulo (São Paulo-SP).

Faça sua inscrição gratuitamente para a Feira de Investimentos aqui no site.

“Conheci os projetos em um contexto muito inicial [na Feira Intermediária, em julho], e agora estou ansioso para ver a evolução deles”, comenta. Segundo Marco, mesmo que os grupos não consigam um investimento no evento, é um momento muito importante para que outros membros do ecossistema de empreendedorismo conheçam e acompanhem os projetos. “Nessa hora é que eles, de fato, conseguem o primeiro acesso a pessoas que investem em projetos no estágio inicial.” O próprio Marco mantém contato com grupos de edições anteriores, como o MVisia, que participou em 2015 com uma máquina seletora de mudas de eucalipto. Ele está ajudando a startup a avaliar uma proposta de investimento.

Eduardo Grytz, diretor da Acelera Partners e membro do Conselho Consultivo de AWC, também conheceu os projetos de 2017 na Feira Intermediária e os considerou de altíssimo nível. “Eles estão chegando muito preparados para este desafio e já com um entendimento muito grande dos problemas e necessidades do mercado. Os projetos também são muito bem desenhados tecnicamente”, diz. Eduardo acrescenta que o diálogo entre o mercado e as universidades é ideal para a inovação. “A importância da Feira é que é justamente o momento mais delicado da inovação: quando o aluno sai do universo acadêmico, onde tudo faz sentido, e vai ouvir do investidor o que mercado precisa de verdade”, afirma.

Ambos os investidores enfatizam a necessidade da educação empreendedora nas universidades. “O futuro é do empreendedorismo. A gente precisa ter a capacidade de criar novas realidades, e isso se faz com educação empreendedora, em qualquer área”, ressalta Eduardo. Marco explica que a educação empreendedora precisa mostrar que o processo de empreendedorismo é multidisciplinar e que outras competências devem ser valorizadas. “Nas universidades brasileiras, os alunos têm um conhecimento profundo de áreas técnicas ou de gestão, e para empreender você precisa ter um mix das duas”, diz.

 

 

Notícias relacionadas:
Participe da Feira de Investimentos AWC 2017
Do projeto de TCC a uma oportunidade de negócio
Os desafios e as vantagens de empreender na universidade

21
nov

RT AirQual: plataforma de qualidade do ar é testada em pontos de Londrina

Cinco assessorias esportivas e grupos de corrida de Londrina-PR estão testando o protótipo do RT AirQual, uma plataforma que monitora a qualidade do ar desenvolvida em Academic Working Capital 2017. Além disso, uma empresa que organiza provas de corrida também está utilizando a solução em algumas de suas provas. Os feedbacks serão coletados pelo estudante de Engenharia Ambiental na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Bruno Machado e pelo aluno de Engenharia Civil no Centro Universitário Filadélfia (UniFil) Rhuan Reis para aprimorar a solução e poder lançá-la no mercado.

A ideia inicial era que o produto fosse voltado a qualquer pessoa interessada em consultar as condições do ar. “Iniciando AWC, surgiu o questionamento de quem realmente necessitaria dessa solução ou quem futuramente pagaria por ela”, conta Bruno. Durante o processo de entrevistas, a dupla focou em cinco segmentos, e um deles se destacou como público-alvo: o esportivo. “A solução busca trazer o monitoramento de variáveis como temperatura, umidade e poluição, que afetam o desempenho do atleta, e indicar os locais urbanos mais adequados para a prática desse exercício, no sentido de trazer mais qualidade para o esporte”, explica Bruno.

Dentro desse segmento, o grupo está concentrando os contatos em assessorias esportivas e grupos de corrida de rua, que podem ser uma ponte para que o produto chegue a uma grande quantidade de atletas. O RT AirQual funciona por meio de um hardware (que coleta os dados), um software (que disponibiliza os dados) e pontos de monitoramento espalhados pela cidade. Até o momento, os estudantes implementaram sensores em quatro pontos de Londrina que costumam receber treinos e provas de corrida de rua. Para isso, eles fizeram parcerias com estabelecimentos locais, pois o equipamento demanda energia elétrica e internet sem fio.

Duas das assessorias já realizaram testes com o protótipo de baixa fidelidade, e o grupo conseguiu validar hipóteses e estabelecer um tempo médio de amostragem de dados. Os feedbacks sobre o novo protótipo devem começar a ser coletados em novembro – desta vez, os clientes irão pagar para utilizar o equipamento.

Bruno menciona que um dos aprendizados que teve em AWC foi em não pensar em escalabilidade logo no início: eles estão focando nesses primeiros early adopters para aprimorar a solução e, só depois, pensar em expandir. Para Rhuan, o método do empreendedorismo científico utilizado no programa traz um desafio e, ao mesmo tempo, uma segurança. “À medida que a gente dá cada passo aqui, a gente vê que está chegando mais perto de uma solução ideal.”

 

 

Notícias relacionadas:
Solução do grupo Detec tem testes garantidos com dois parceiros
Care Job desenvolve solução para famílias de pessoas com Alzheimer
Early adopter e parceria com e-commerce impulsionam RoadieBot