Instituto TIM

Tag: AWC 2015

15
ago

Nova solução da MVisia para cana-de-açúcar conquista prêmios

O segundo semestre de 2017 começou com reconhecimentos importantes para a MVisia, startup que participou de AWC 2015 com uma máquina seletora de mudas de eucalipto. Um dos novos projetos da empresa paulistana, uma seletora de mudas de cana-de-açúcar (que está em fase de protótipo), recebeu dois prêmios recentemente.

No dia 17 de julho, Fernando Lopes, sócio da startup junto com Fernando Velloso e Henrique Oliveira, recebeu em Nova York o prêmio Person of the Year (POY) Fellowship Award. O prêmio é concedido pela Câmara de Comércio Brasil-EUA a estudantes de graduação e pós-graduação que demonstram um grande potencial de liderança e que realizaram pesquisas e projetos de impacto no mundo acadêmico e na sociedade. Concorrem ao prêmio estudantes apoiados pela Fundação Lemann e Instituto Ling e vencedores do Prêmio Odebrecht de Desenvolvimento Sustentável – a MVisia foi um dos vencedores deste último em dezembro de 2016, recebendo R$ 60 mil.

A seletora de mudas de cana-de-açúcar também foi um dos três projetos vencedores do Prêmio Inovacana, uma iniciativa do Grupo IDEA com apoio da AgTech Garage e SP Ventures. Startups e empreendedores foram selecionados para apresentar suas soluções para o setor sucroenergético durante o evento INOVACANA, realizado em 9 e 10 de agosto em Ribeirão Preto-SP. Os três melhores projetos recebem mentorias para alavancar o negócio e captar investimentos e a oportunidade de apresentar a solução a especialistas e produtores em outro evento do Grupo IDEA.

“A conquista desses dois prêmios mostra para nós, da MVisia, que estamos no caminho certo para inserir tecnologia no agronegócio brasileiro, setor estratégico para nosso país”, comenta Fernando Lopes. “O setor sucroalcooleiro tem passado por dificuldades recentemente, e apenas com a adoção de novas tecnologias que aumentem a produtividade e a qualidade e diminuam custos é que o mercado continuará sua trajetória de sucesso. Ficamos felizes de poder contribuir para isso com nossa Seletora Automática de Mudas”, afirma.

Durante a participação em AWC, a equipe também conquistou o Prêmio Santander Universidades com a seletora de mudas de eucalipto. O projeto ainda recebeu financiamento do Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE). Atualmente, a startup está desenvolvendo e comercializando máquinas seletoras para outros tipos de mudas e investindo em projetos fora da área agrícola. Saiba mais nesta matéria.

 

Notícias relacionadas:
Road Labs fecha parceria com concessionárias para testar protótipo
Protótipo de solução da Tech Talk está em teste com clientes
Fusion se prepara para criar empresa e finalizar a primeira máquina

25
jul

Protótipo de solução da Tech Talk está em teste com clientes

Após um ano e meio de ajustes no produto, mudança de público-alvo e abertura de empresa, a Tech Talk colocou seu protótipo em teste. A startup de São Paulo-SP foi criada pelos engenheiros mecatrônicos Lucas Pinheiro e Edson Nakada, que participaram da edição de 2015 de Academic Working Capital, durante o último ano de graduação na Universidade de São Paulo (USP). A dupla criou um sistema de atendimento automatizado por telefone que, por meio de inteligência artificial, consegue dialogar de forma mais natural com quem está do outro lado da linha.

No início, os engenheiros planejavam focar as primeiras vendas em restaurantes delivery, mas agora apostam em call centers e empresas de e-commerce. “É um público mais interessante para a gente”, diz Lucas. Duas empresas de call center estão atualmente testando o protótipo da solução, e a startup está negociando a implementação em uma empresa de e-commerce e em uma agência de marketing que se interessou em oferecer a solução a seus clientes.

Edson e Lucas estão se dedicando totalmente ao negócio. A empresa agora está alocada no Núcleo de Empreendedorismo da USP (NEU) e conta com mais um sócio: Diogo Calipo, responsável pela área comercial e de marketing. “Durante AWC, vimos que faltavam certas habilidades que não tínhamos por causa da graduação. Éramos mais técnicos, e precisávamos de alguém mais voltado ao comercial”, conta Lucas. A Tech Talk também participou do Startup SP, programa do Sebrae que oferece mentorias presenciais para ajudar startups a validarem sua proposta de valor e modelo de negócio. “Entramos para validar se o modelo novo voltado a call centers valia a pena.”

Além do modelo de negócio, o produto também foi aprimorado após o final de AWC. “Tivemos que mudar bastante coisas, faltavam mais conexões com tecnologias voltadas para empresas, especialmente de telefonia”, explica. Nesse meio tempo, a startup tomou conhecimento de mais alguns concorrentes, mas o mercado ainda é muito pequeno. Segundo Lucas, os diferenciais da Tech Talk são a tecnologia que permite uma conversa mais natural e a possibilidade de customização do sistema.

Por enquanto, os testes com os protótipos estão sendo feitos internamente nas empresas. A intenção da startup é iniciar os testes com clientes ainda no segundo semestre de 2017 e fechar as primeiras vendas no final do ano ou no início de 2018. A expectativa também é ampliar a equipe futuramente, especialmente com desenvolvedores. Lucas comenta que a participação em AWC teve um papel muito importante para dar uma visão de negócios à equipe. “A gente achava que ia fazer um produto incrível, as pessoas iam gostar e já iríamos vender”, brinca. “Foi um choque de realidade.”

 

Notícias relacionadas:
Mvisia investe em novos mercados e novas aplicações
Fusion se prepara para criar empresa e finalizar a primeira máquina
Aceleração e parceria estão nos planos da Turnit Healthcare

 

 

23
jun

MVisia investe em novos mercados e novas aplicações

A MVisia, startup criada pelos engenheiros mecatrônicos Fernando Lopes, Fernando Velloso e Henrique Oliveira, de São Paulo-SP, participantes de AWC 2015, já está consolidada no agribusiness. O trio continua trabalhando na máquina seletora de mudas de eucalipto com a qual se inscreveu em AWC, mas já desenvolveu equipamentos para outros três mercados: uma máquina seletora de tomates-cereja, uma para a seleção de mudas de flores e outra para determinar a qualidade da uva. O produto em que os empreendedores trabalham agora é uma máquina para selecionar mudas de alface para um cliente de Holambra-SP. O projeto está na fase de construção do protótipo.

O conceito das novas máquinas é o mesmo da seletora de mudas de eucalipto, mas com processos e adaptações diferentes para outras opções de produto. A primeira máquina vendida foi a seletora de mudas de flores para a empresa Van Kampen, também de Holambra. Depois, a Kano Tomates, de Piedade-SP, alugou uma seletora de tomates-cereja. No final do ano passado, a MVisia realizou mais duas vendas da máquina de selecionar tomares-cereja (ambas em Minas Gerais). Neste ano, a máquina que determina a qualidade da uva foi vendida para uma cooperativa do Rio Grande do Sul.

Em paralelo, a seletora de mudas de eucalipto – que também contou com financiamento do Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) – está na fase final de testes e deve estar pronta para ser comercializada em julho. “AWC financiou o protótipo, a FAPESP financiou a primeira máquina. Já temos alguns clientes bastante interessados”, explica Fernando Lopes. Além dos três sócios originais, a equipe da MVisia é composta pelos programadores Nelson Gomes e Marlon Dyo e pelos estagiários Diego Gonçalves e Marcelo Pimentel.

Os próximos passos da MVisia são continuar desenvolvendo novas máquinas, continuar expondo em feiras, vender a seletora de mudas de eucalipto e a de mudas de alface e consolidar as vendas da máquina de uva. Além disso, os empreendedores estão desenvolvendo projetos fora da área agrícola em parceria com uma empresa do Cietec para, entre outras aplicações, detectar cáries em dente e fazer planograma em supermercados.

Para a equipe, AWC foi importante para tornar o projeto possível e para a aquisição de uma visão de negócio. “Conseguimos construir um protótipo e apresentar nas empresas e isso abriu muitas portas para nós”, diz Fernando Velloso.

 

Últimas notícias
Fusion se prepara para criar empresa e finalizar a primeira máquina
Aceleração e parceria estão nos planos da Turnit Healthcare
E-sporte pretende faturar R$ 500 mil até o final do ano

 

01
fev

AWC: bancada e tema de palestra na Campus Party Brasil

O programa Academic Working Capital participou da 9ª edição da Campus Party Brasil, uma das maiores maratonas internacionais de tecnologia, realizada entre os dias 26 e 31 de janeiro no Centro de Exposições Anhembi, em São Paulo (SP). Além de ter uma bancada fixa durante todo o evento, AWC foi tema de uma das palestras do palco Startups & Makers. No total, cerca de 120 mil pessoas visitaram os espaços destinados às palestras, workshops, painéis e atividades da Campus Party.

AWC levou ao evento 10 integrantes de quatro grupos que participaram em 2015: Tech Muda, Tech Talk, Loot Factory e Recicladora Portátil de Papel. A intenção era que os jovens compartilhassem com os campuseiros sua experiência no programa.

“A expectativa é que a gente consiga aumentar nossa divulgação para alguém de fora se interessar”, explicou Lucas Moraes Pinheiro, do Tech Talk. Ele e o colega Edson Nakada criaram um sistema que vocaliza tarefas mediante comandos por voz. A ideia inicial era vender a solução para pizzarias, mas agora eles estão mudando o foco para e-commerce. “Fizemos nossos primeiros contatos na fila”, contou Edson. “Estamos procurando alguém pra ser nosso cliente piloto.”

Os participantes de AWC 2015 também assistiram a palestras sobre empreendedorismo e startups e deram entrevistas à imprensa. “Pra gente fazer a divulgação está sendo muito bom”, afirmou Fernando Paes Lopes. Ele, Fernando Velloso e Henrique Martins criaram a Tech Muda, máquina que faz automaticamente a seleção de mudas de eucalipto e que foi vencedora do Prêmio Santander Universidades na categoria Empreendedorismo.

Palestra
AWC também foi tema de uma palestra dada pela representante do Instituto TIM Anna Carolina Meireles e pelo coordenador de conteúdo de AWC, Diogo Dutra, na noite do dia 27/01. Anna Carolina falou do Instituto e de algumas de suas iniciativas, especialmente AWC. “Se você não é universitário, você com certeza conhece alguém que é e que tem essa veia de empreendedorismo”, disse.

Na sequência, Diogo apresentou o programa. Ele comentou que o objetivo de AWC é levar para o mercado soluções que acabam engavetadas depois que os estudantes se formam. “É um momento da vida em que você está escolhendo a carreira e muitas vezes a opção do empreendedorismo não aparece. AWC mostra essa alternativa.” Diogo conversou sobre alguns dos projetos de 2015, como Tech Talk e Grape Truck, e falou da 2ª chamada de AWC 2016, que estará aberta entre 15/02 e 17/04.

Este slideshow necessita de JavaScript.

21
dez

Assista às palestras de Renato Freitas (99Taxis) e Álvaro Novaes (Futurojá) na Feira de Investimentos AWC 2015

No dia 17 de dezembro, como alguns já viram aqui, aconteceu a Feira de Investimentos, no Parque Tecnológico do Estado de São Paulo. A Feira marcou o encerramento do semestre do programa Academic Working Capital e foi uma oportunidade para que os estudantes participantes mostrassem seus projetos a investidores e empreendedores.

Também houve duas bancas de pitches, nas quais os grupos receberam feedbacks sobre seus produtos, e palestras de Renato Freitas, cofundador das empresas 99Taxis e Ebah e Álvaro Novaes, fundador e CEO da Futurojá Angels Asset Management.

Confira a cobertura do primeiro, segundo e terceiro dia do Workshop II

Renato, que deu a primeira palestra, destacou os nove maiores aprendizados que teve como empreendedor e explicou o que dá para fazer para garantir a contratação de bons colaboradores. O empreendedor também falou sobre as dificuldades que passou e deu conselhos para que startups durem mais de 10 anos.

A última palestra do dia ficou por conta de Álvaro, que usou vídeos e fotos para mostrar sua paixão pelo empreendedorismo. Ele comentou sobre seus projetos atuais e explicou como é importante ter um propósito claro para a empresa.

Você pode assistir às duas palestras na íntegra!

Assista à palestra de Renato Freitas (99Taxis e Ebah)

Assista à palestra de Álvaro Novaes (Futurojá)

O programa Academic Working Capital também está no Twitter!