Instituto TIM

Tag: Artur Vilas Boas

17
jan

AWC 2017 começa com Workshop I

O programa Academic Working Capital deu início à sua terceira edição com o Workshop I, realizado no prédio da Engenharia Mecânica e Naval da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), em São Paulo (SP). O primeiro dia do workshop, em 16 de janeiro, contou com a apresentação do programa e uma introdução a conceitos e ferramentas essenciais para criar um produto e empreender. Os sete grupos aprovados na 1ª chamada (haverá uma 2ª chamada em março) incluem estudantes da USP, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), da Universidade de Brasília (UnB) e do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG).

O professor da USP e coordenador acadêmico do programa, Marcos Barretto, e o engenheiro mecatrônico e coordenador de AWC Diogo Dutra foram responsáveis pela abertura do workshop. Eles deram as boas-vindas aos grupos, falaram dos objetivos e estrutura do programa e apresentaram a equipe. “Mais do que um processo de aceleração, AWC é um trabalho de educação empreendedora. O que importa para a gente é o quanto vocês vão aprender neste ano”, explicou Diogo.

Marcos comentou que muitos produtos criados nos TCCs são descartados logo depois, e que a proposta de AWC é que os estudantes possam ir além. “Vamos fazer engenharia de verdade, nada de um protótipo para atender o TCC”, afirmou. “Vocês sairão daqui com uma outra visão do que é fazer engenharia, fazer um produto, ser um profissional de verdade.” Neste ano, o programa contará com três workshops presenciais, dois workshops online e uma Feira de Investimentos. Um dos focos do Workshop I é que os grupos entrem em contato pessoalmente, via Skype ou por telefone com o maior número possível de potenciais clientes para testar hipóteses relacionadas aos seus produtos.

André Dib, publicitário e membro da equipe de AWC, conduziu a primeira palestra do dia. Ele falou da importância de ter uma visão crítica ao empreender e de colocar suas convicções à prova constantemente, conversando e conhecendo o público-alvo de seu produto. “Esqueça a bola de cristal e comece a ir atrás de pessoas verdadeiras e histórias reais”, recomendou. André mostrou ferramentas que serão utilizadas durante o workshop e irão ajudar os grupos a montar um Value Proposition Canvas (VPC), que apresenta a proposta de valor do produto.

Os estudantes precisam refletir de que forma seus produtos geram ganhos e aliviam as dores dos clientes, fazer uma análise da concorrência e criar as matrizes CSD (certezas, suposições e dúvidas) e de amarração (que registra as hipóteses, testes, resultados e conclusões sobre o produto). “Isso é contínuo, um ciclo”, acrescentou André. Para começar, os grupos colocaram no papel os primeiros itens do deck de slides que irão construir: quem somos, propostas de valor e segmentos de clientes. Em dois grandes grupos, os estudantes apresentaram o material aos colegas e equipe de AWC para coletar feedbacks e aprimorar seus projetos.

O administrador e membro da equipe de AWC Artur Vilas Boas preparou os grupos para a tarefa seguinte: pesquisar e entrevistar os primeiros potenciais clientes e parceiros. Artur reforçou a necessidade de ouvir o público para desenvolver o produto. “Tem que buscar um encaixe entre sua solução e os problemas das pessoas”, disse. Foram apresentados exemplos de como criar um mapa de contatos, dicas para abordar os entrevistados e um roteiro básico de perguntas. “É uma chave que tem que virar na sua cabeça: ‘não estou vendendo nada’. Senão, no final, você só vai falar, não vai fazer a entrevista e não vai aprender nada.” Os alunos dedicaram o restante do dia para agendar e realizar as primeiras entrevistas e consolidar os resultados. A meta é que eles consigam, ao final do workshop, fazer 15 entrevistas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

19
jul

AWC: Workshop II reúne 60 estudantes

Começou em São Paulo (SP), na manhã de 18 de julho, o Workshop II do programa Academic Working Capital em 2016. Cerca de 60 estudantes, dos 26 grupos que participam neste ano, estiveram reunidos para ouvir palestras, participar de dinâmicas e discutir seus modelos de negócio. O Workshop II acontece até 20 de julho no auditório e nas salas do prédio da Engenharia Elétrica na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP).

Acompanhe a cobertura do Workshop II pelo Twitter

A programação começou com as boas-vindas do professor da USP Marcos Barretto, coordenador acadêmico de AWC. Depois, o engenheiro mecatrônico Diogo Dutra, coordenador de conteúdo de AWC, recapitulou a estrutura do programa, lembrando que o tema do Workshop I foi a obsessão pelo usuário e a necessidade de realizar experimentos reais. Citando o empreendedor norte-americano Steve Blank e o criador do jogo Pokemon GO, John Hanke, Diogo mostrou que, a partir de agora, os estudantes sairão de um modelo de solução para um modelo de negócio com o objetivo de estimar seu lucro.

No painel “De produto para negócio”, Diogo explicou rapidamente a ferramenta Business Model Canvas. “No final vocês vão olhar receita e custo e pensar: isso dá negócio ou não dá?” Ele contou a história da startup norte-americana Pair Eyewear, que produz óculos customizáveis para crianças. Depois de ir a campo e fazer pesquisas e entrevistas, os empreendedores da Pair Eyewear mudaram totalmente seu modelo de negócio. “Precisa manter esse olhar curioso, esse olhar que não aceita simplesmente a primeira entrevista, que faz testes rigorosos”, salientou.

Após as palestras iniciais, os grupos foram para as salas e trabalharam em seus modelos de negócio; depois, foram divididos em novos clusters, conforme proximidades de tecnologia ou mercado. Esta é a primeira vez que todos os grupos de 2016 se encontram pessoalmente, já que o Workshop I foi realizado online para os grupos da 2ª chamada.

Mais tarde, todos voltaram ao auditório e assistiram à palestra de Rogério Nogueira, CEO da Weka e sócio das startups Colaboradores e Captr. Rogério falou sobre estratégias de marketing e vendas e formas de adquirir e converter clientes. “Como eu vou atrair e qual vai ser a conversão real para essas pessoas? Isso vai estar no plano de negócios. E é importante testar esse plano de negócios”, afirmou. “Vender é algo que se aprende.” Rogério falou das competências que ele considera necessárias para ser um bom vendedor, como disciplina, habilidade de se comunicar, criatividade e capacidade investigativa. No final, os estudantes fizeram perguntas e o empreendedor deu dicas de livros e ferramentas.

O segundo painel do dia foi sobre mercados e modelos de receita. O coordenador de monitores de AWC, Artur Vilas Boas, que também é membro do Núcleo de Empreendedorismo da USP, mostrou exemplos de empresas com possibilidades de receitas diferentes do modelo de venda simples (aluguel ou venda com manutenção, licenciamento/franquias, freemium etc.). “Calcular o tamanho da oportunidade é precificação vezes dimensionamento”, explicou. Artur repassou alguns pontos de atenção para os estudantes refletirem. De volta às salas, os grupos se reuniram para pensar na estratégia de seus modelos de receita.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

18
dez

Treinos de pitches fecham Workshop II

O último dia do Workshop II do programa Academic Working Capital em 2015 foi dedicado à preparação dos pitches que os estudantes apresentariam na Feira de Investimentos AWC, marcada para o dia seguinte. Durante todo o dia 16 de dezembro, os grupos assistiram a palestras, treinaram suas apresentações e conheceram o local da Feira. O Workshop II começou no dia 14 e é realizado no auditório e salas do prédio da Engenharia Mecânica e Naval da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP).

A primeira palestra do dia foi a do membro do Núcleo de Empreendedorismo da USP e monitor AWC Artur Vilas Boas. Ele enfatizou que é possível transformar os projetos em grandes negócios com trabalho duro e falou da importância de uma boa narrativa para conquistar o público. “Construir uma história legal em torno do projeto ajuda os investidores e todo mundo que está assistindo à apresentação a entender melhor o que está sendo feito. A parte técnica da engenharia é apenas um detalhe que todo mundo já sabe que você domina”, comenta Artur.

Saiba como foi o primeiro dia do Workshop II

Durante a tarde, os estudantes se reuniram em seus grupos e trabalharam nas apresentações. Com orientação de Diogo Dutra, coordenador de conteúdo de AWC, eles foram refinando seus discursos e materiais sobre os projetos para a apresentação na Feira de Investimentos AWC. Para completar, fizeram uma rodada de treino de pitches e receberam feedbacks de Diogo Dutra e do professor da Poli-USP e coordenador acadêmico de AWC, Marcos Barretto.

Para encerrar o dia, Diogo e Marcos deram uma palestra final na qual agradeceram o empenho de cada um dos estudantes e aproveitaram para ressaltar o trabalho dos monitores e de toda a equipe AWC. “A partir de agora, cada dia será um frio na barriga novo e isso é o normal no empreendedorismo”, encerrou Diogo.

Segundo dia do Workshop II teve como tema vendas e patentes

Os participantes de Academic Working Capital participarão da Feira de Investimentos AWC e apresentarão seus projetos a investidores e grandes nomes do empreendedorismo. A Feira será aberta ao público e acontece no dia 17 de dezembro das 9h às 22h no Parque Tecnológico do Estado de São Paulo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

30
nov

Apoio de AWC foi determinante para Seletora de Mudas vencer Prêmio Santander Universidades

O primeiro ciclo do programa Academic Working Capital está se encerrando com uma notícia muito boa. Como alguns de vocês já viram aqui, a Seletora de Mudas de Eucalipto/Tech Muda venceu o Prêmio Santander Universidades na categoria Empreendedorismo. A equipe AWC esteve presente durante todas as etapas do projeto, auxiliando o grupo a construir seu produto. Por isso, essa conquista é um grande orgulho pra todo mundo que faz parte do programa!

“A participação de AWC foi fundamental. O [monitor] Artur Vilas Boas nos ajudou em todo o processo da competição, falávamos com ele todos os dias pedindo dicas e referências. E foi o [coordenador de conteúdo] Diogo Dutra que incentivou a gente a fazer a inscrição no Prêmio e nos ajudou com o pitch”, diz Fernando Torres, coordenador da equipe.

Para vencer o Prêmio Santander Universidades, o grupo desenvolveu um plano de negócios, que foi entregue na primeira fase do concurso, e fez um pitch, que foi apresentado na etapa final da competição. O grupo, que é formado também por Fernando Lopes e Henrique Martins, vai receber R$ 100 mil para investir no projeto, consultoria da organização Endeavor e uma bolsa de estudos na Babson College, em Boston, nos Estados Unidos.

Acompanhe as novidades de AWC pelo Twitter

Fernando explica que a participação no AWC foi muito importante para a criação do protótipo – que, por sua vez, foi fundamental para a conquista do prêmio. “E agora vamos usar o dinheiro da premiação para construir a primeira máquina”, comemora Fernando Torres. Os próximos passos do grupo são estabelecer formalmente a empresa, requisitar a patente e desenvolver a versão final do protótipo. A meta é vender duas máquinas já em 2016.

15
jul

AWC: usuário é foco do segundo dia do Workshop I

O foco de todas as atividades do segundo dia do Workshop I do programa Academic Working Capital, em 14 de julho, foi a experiência do usuário (veja como foi o primeiro dia). Renato Freitas, um dos criadores do aplicativo 99Taxis, deu a palestra de abertura no auditório do prédio da Engenharia Mecânica e Naval da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), reforçando a importância de pensar no público-alvo para desenvolver o produto.

“Todas as decisões da empresa são pensadas em como impactar o usuário”, disse o diretor de tecnologia. Ele compartilhou com os estudantes participantes do programa os acertos e erros de sua trajetória como empreendedor no 99Taxis e na rede social acadêmica Ebah. O bom relacionamento tanto com os taxistas quanto com os clientes fez a diferença para o crescimento do 99Taxis. “Nós mesmos ensinamos os taxistas a baixar e utilizar o aplicativo. Nosso entendimento era de que precisávamos fazer um aplicativo com uma usabilidade muito boa e difícil de errar”, afirmou.

A palestra seguinte teve como tema Design Thinking, método para a criação de produtos e serviços de forma criativa e orientada ao usuário. O engenheiro mecatrônico Lucas Torres, um dos consultores de AWC, explicou que as demandas dos usuários são variadas e complexas, por isso é essencial entender como as pessoas usam seu produto. Ele apresentou processos de Design Thinking que os participantes precisariam desenvolver e orientou as equipes a pensar em perguntas para fazer a seus stakeholders.

Após o almoço, os estudantes conheceram algumas lições para empreendedores de Paul Graham, investidor norte-americano e fundador da aceleradora Y Combinator. Artur Vilas Boas, membro do Núcleo de Empreendedorismo da USP (NEU) e um dos monitores de AWC, e Miguel Chaves, sócio da consultoria em inovação e design CAOS Focado, se basearam em ensaios escritos por Graham para selecionar os principais conselhos e apresentaram casos de sucesso de startups que começaram no NEU.

Em seguida, as equipes fizeram pesquisas com possíveis stakeholders de seus produtos, traçaram a experiência que eles podem ter como usuários e pensaram nos atributos de design baseados nas necessidades do público-alvo. Os monitores contribuíram com a pesquisa indicando especialistas nas áreas de cada projeto para os estudantes entrevistarem por telefone ou pessoalmente. No final do dia, os grupos compartilharam com os colegas e monitores como foram as primeiras entrevistas, como definiram as jornadas dos usuários e os problemas e soluções encontrados.

Este slideshow necessita de JavaScript.