Instituto TIM

Tag: Artur Vilas Boas

13
dez

Estudantes discutem modelos de investimentos e criam pitches no Workshop III

O Workshop III de AWC reuniu 22 grupos no dia 12 de dezembro, no prédio de Engenharia Mecânica e Naval da Escola Politécnica da Universidade São Paulo (Poli- USP). O primeiro dia do evento preparatório para a Feira de Investimentos que acontece na próxima sexta, 14, promoveu discussões fundamentais para consolidar a solução desenvolvida ao longo do programa com foco nos modelos de investimento e formas de convencer o cliente a adquirir o produto.

O coordenador de conteúdo Diogo Dutra ministrou a palestra “Como acessar funding?”, apresentando todos os mecanismos existentes, vantagens e desvantagens. Dutra ressaltou a importância de entender o momento que a startup vive e refletir sobre a necessidade de buscar investidores. “Mais importante que o dinheiro é saber quem é o anjo. É importante conhecer quem está entrando para ajudar no seu negócio”, aconselhou.  Além de buscar outras alternativas como PIPE (Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas – FAFESP), Hack Brazil e outras premiações.

awc_12_2018_0044

Ainda durante a manhã, os alunos realizaram a primeira atividade prática que consistia em pesquisa de apoios, prêmios e competições para as startups pós-AWC. Rafael Silva Montes, que é um dos fundadores da tecnologia Wavis considera que o programa foi desafiador por mostrar os passos iniciais de formação da startup, a investigação do problema e a solução. “Empreender é movimentar-se sempre, agir rápido e investigar as soluções. Foi uma experiência muito válida e ano que vem vamos investir mais esforços para evoluir a tecnologia”, contou.

Para Matheus Ambrosi, desenvolvedor do Centrics, foi uma experiência completa já que ele desejava montar uma empresa. “Passamos por todas as etapas e o que mais agregou foi aprender com quem já passou por isso e as conexões que fazemos ao longo do programa”, destacou.

O principal tema do dia foi o pitch, apresentado pelo coach Artur Vilas Boas. Ele mostrou quatro tipos de pitches e compartilhou dicas para organizar o raciocínio e construir uma narrativa sólida que será apresentada em no máximo 4 minutos para os investidores. “É importante conquistar com clareza, objetividade e ter respostas para possíveis perguntas, porque mostra ao investidor que você está preparado”, disse.

awc_12_2018_0016 awc_12_2018_0282 awc_12_2018_0396

 

No período da tarde, o coach Rodrigo Franco falou do design nas apresentações e em seguida os estudantes criaram suas primeiras versões de pitch. Apresentaram e receberam feedback dos coachs.

Para encerrar o primeiro dia de Workshop III, os alunos assistiram a palestra de Marcus Roggero, engenheiro civil, co-fundador e CPO da InfoPrice. Roggero contou a trajetória da startup que surgiu em 2013 para mostrar as dificuldades e conquistas de um empreendedor. Ele também compartilhou as experiências com a criação do produto, negociação de contrato e investidores. “Empreender têm muitas situações difíceis e com o peso adicional da vida pessoal, pode ficar ruim, mas você não pode desistir, porque existem pessoas que contam com você e os fundadores precisam mostrar que estão fazendo o melhor”, declarou.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

18
set

Workshop II: Feira de feedbacks encerra os dois dias de atividades

O dia 16 de setembro foi o último do Workshop II do programa Academic Working Capital 2018 – ao mesmo tempo, foi uma primeira prévia do que vai acontecer na Feira de Investimentos, que ocorrerá em dezembro!

O segundo e último dia do Workshop começou na sala principal da Fundação Vanzolini com uma conversa de introdução com os participantes sobre investimentos. O coach Artur Vilas Boas iniciou o dia e a palestra trazendo o que e como seriam os diferentes tipos de investimentos, ou fundings como são também conhecidos, que os grupos poderiam considerar. Foi abordada a diferença entre fundos de venture capital e investidores-anjo e os cuidados que devem ser tomados ao buscar e receber um investimento. “Os fundos de investimentos também evoluíram paralelamente a trajetória do empreendedorismo no país, então hoje existe uma divisão dos tipos e tamanhos de fundings de acordo com a maturação das startups”, orientou Artur ao falar sobre os requisitos necessários para cada tipo de investimento.

Outro tema que apareceu nessa conversa foi o papel das aceleradoras neste processo de crescimento da empresa e como se negocia o equity, capital da empresa, com os novos investidores. “E nunca se esqueçam que os melhores investidores da suas empresas sempre serão os clientes!”, finalizou Artur.

 

IMG_8132

A segunda palestra do dia ficou por conta do investidor Marco Poli, da organização Anjos do Brasil. Ele conduziu uma conversa informal porém com muitos pontos de questionamento com os universitários sobre como é a rotina de uma startup e as diferenças entre ter clientes b2b (empresa vendendo para empresas) e b2c (empresas vendendo para consumidor final). Marco também deixou claro a importância de ter as pessoas certas para atividades importantes da empresa. “É um erro comum e repetido de startup querer contratar pessoas com pouco conhecimento para tocar áreas importantes, então escolham bem seus parceiros e colaboradores e busquem por competências fundamentais para o negócio rodar”, completou.

Após as palestras, os estudantes voltaram a se reunir em seus clusters para trabalhar nos projetos. Eles incorporaram os feedbacks recebidos da equipe AWC, mentores e palestrantes, e aperfeiçoaram suas ideias com as experiências adquiridas. Os coaches Artur Vilas Boas, Rodrigo Franco, André Dib, Isabela Modesto e o professor da Poli-USP, Marcos Barretto usaram esse momento para ajudar na preparação dos grupos para a feira de feedbacks. A ideia é que no período da tarde, os participantes pudesses aproveitar a oportunidade de apresentar suas soluções a um público completamente novo, extrair mais comentários e aproveitar para treinar seus pitches.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

No período da tarde, todos se encaminharam para o salão do 16º andar do prédio da FIESP, onde já acontecia o Festival de Empreendedorismo, e que recebeu os grupos de AWC para exporem seus projetos ao público presente. Já no local, os participantes montaram suas bases com apresentações, protótipos e muita vontade de receber amigos, convidados e investidores presentes, como Carlos Fenerich e Marco Zili, do PoliStart, parceiro de AWC. Todos se esforçaram para expandir sua rede de contatos, validar a dor do usuário e mostrar os números que já tinham conquistado até ali.

Antes de encerrar oficialmente as atividades do dia, o professor Marcos Barretto disse algumas palavras em agradecimento ao público que tinha comparecido e contou um pouco mais sobre como o programa AWC complementa e auxilia tudo que acontece dentro das universidades. O professor também elogiou os grupos por terem aproveitado a experiência de falar com pessoas novas e que desconheciam seus projetos. “Pescar em mar aberto é assim, a gente nunca sabe o que vai acontecer, quando a gente vai pra uma conversa com um público novo é assim, não sabemos o que esperar das perguntas”, disse o professor Barreto aos alunos, relacionando a feira como sendo um local onde o público poderia perguntar qualquer coisa sobre os projetos, por isso a importância de se prepararem para essa nova etapa.

Uma última surpresa aguardava os participantes de AWC 2018, em pareceria com a HackBrasil, 5 grupos foram selecionados para participar de um processo seletivo da aceleradora que premiará os vencedores com um valor em dinheiro e também um curso em Harvard e no MIT, com todas as despesas pagas. As equipes selecionadas foram: Centrics, NextCam, HeliDrop, AquaLuz e ECGP. Eles agora precisam gravar um vídeo de até 5 minutos contando suas histórias e soluções e enviar para a competição. Com o fim do Workshop II, os grupos seguem com os acompanhamentos quinzenais com seus coaches e entram no processo de construção de seus protótipos finais e na preparação para a Feira de Investimento, que acontecerá em dezembro.

 

 

31
jul

Equipe de AWC se reúne para discutir desempenho dos grupos

No dia 28 de julho, a equipe de Academic Working Capital realizou a primeira reunião de avaliação dos projetos após o Workshop II, que aconteceu entre 17 e 19 de julho. Participaram da reunião Diogo Dutra, André Dib, Artur Vilas Boas, Miguel Chaves e Rodrigo Franco. Os coordenadores fizeram uma avaliação bastante positiva do evento, destacando que os grupos foram muito participativos, contribuíram com várias ideias para seus colegas e ficaram ainda mais engajados em seus projetos. Durante a reunião, cada um expôs o andamento dos projetos pelos quais são responsáveis – a equipe realiza monitorias quinzenais com os grupos – e os desafios a serem solucionados.

A cada quinzena, aos sábados, os grupos apresentam os projetos no formato flipped classroom (sala de aula invertida) aos seus respectivos coordenadores, que conferem uma pontuação a eles. Uma vez por mês, a equipe de AWC se reúne para discutir o desempenho dos grupos e organizá-los em uma lista dividida em faixas que vão de A a D – sendo A os grupos com melhor desempenho e D aqueles que precisam dar um gás maior em seus projetos. Os grupos não têm acesso à lista, para que não se crie um clima de competição, mas os coordenadores avisam individualmente em que faixa eles estão e o que eles precisam fazer para evoluir.

Diogo Dutra, coordenador de conteúdo de AWC, explica que o objetivo da avaliação não é a pontuação em si, mas o processo, que contribui tanto para os grupos quanto para a equipe. “Essa comparação é muito boa porque a gente consegue, no final das contas, entender os nossos grupos em relação ao movimento dos outros, e isso acaba balizando as orientações na sequência. Sem o processo de avaliação, a gente não teria como ter essa percepção”, afirma. “Não é para deixar ninguém chateado ou colocar uma nota, a gente até evita muito a nota. Mas é uma noção, principalmente, do que eles têm que fazer para melhorar.”

Os grupos são avaliados em dois eixos: participação e performance. O eixo de performance é mais subjetivo, e depende da avaliação de cada coordenador em relação ao desempenho esperado para os grupos nos diferentes momentos do programa. Já o eixo de participação envolve três critérios: se o grupo está fazendo as entrevistas e experimentos, se está entregando as demandas solicitadas e o entendimento que ele tem de seus clientes.

“AWC não é para falar só de negócios, mas é o quanto em termos de participação e engajamento os grupos estão tendo e o quanto eles estão seguindo as orientações. São as orientações que vão fazer eles aprenderem mais. Então, os grupos que ainda não encontraram o negócio mais genial do mundo, mas que estão colocando uma superenergia, estão acompanhando e vindo, a gente valoriza também e eles sobem nessa classificação”, diz Diogo. Logo no Workshop I, os grupos são informados sobre como funciona o processo de avaliação e que os grupos com melhor desempenho serão convidados a participar de eventos e reuniões de mentoria com especialistas, além de apresentar seus projetos em formato de pitch para investidores e convidados da Feira de Investimentos no final do ano.

Um fato bem interessante é que a coordenação de AWC também está utilizando a metodologia do programa para fazer uma autoavaliação. Na última reunião com o Conselho Consultivo de AWC, os membros do Conselho indicaram pessoas e instituições para Diogo e o coordenador acadêmico do programa, Marcos Barretto, conversarem e pensarem em como o programa pode melhorar e se expandir. “O que a gente está fazendo é indo a campo conversar com as pessoas, fazendo entrevistas para evoluir o nosso próprio modelo”, conta Diogo.

 

Notícias relacionadas:
Protótipo de solução da Tech Talk está em teste com clientes
Workshop II: investidores conhecem projetos de AWC 2017 em Feira
Papel do monitor fecha formação de AWC com professores de Etecs e Fatecs

16
maio

Workshop Online I termina com uma importante decisão

Manter ou pivotar? Essa foi a grande decisão que os grupos da turma 1 (1ª chamada) tiveram que tomar ao final do último dia do Workshop Online I de Academic Working Capital 2017, realizado em 13 de maio. A questão também foi apresentada aos grupos da 2ª chamada (turma 2), que terão que fazer essa escolha futuramente. Diretamente de suas cidades, os 35 grupos de AWC 2017 participaram das atividades do workshop em tempo real, por meio de plataformas online como Google Hangouts, Google Drive e Slack.

Confira como foi o primeiro e o segundo dia do Workshop Online I

O dia começou com apresentações dos grupos da turma 1 sobre o processo de tentar conseguir um early adopter, ou seja, uma pessoa que aceite testar e avaliar o experimento de valor do produto. Após os feedbacks, Miguel Chaves, da equipe de AWC, conversou com os estudantes sobre como evoluir os experimentos em protótipos que atendam às necessidades dos clientes. O sócio-fundador da empresa E-sporte João Macêdo, participante de AWC 2016, deu uma palestra sobre como o protótipo foi decisivo na conquista do primeiro cliente. João enfatizou que o apoio de AWC na construção dos protótipos foi um grande aprendizado, e que os grupos devem aproveitar ao máximo essa oportunidade. Em seguida, os grupos atualizaram suas ferramentas e apresentaram sua decisão: todos escolheram manter seus modelos de negócio. A meta dos estudantes agora é conseguir early adopters e firmar parcerias.

A turma 2 também iniciou o terceiro dia do workshop apresentando seus decks e personas e atualizando as ferramentas conforme os feedbacks. Artur Vilas Boas, da equipe de AWC, explicou como os grupos deverão fazer uma análise para conhecer o tamanho e as possibilidades de mercado de seu produto. Ele lembrou que até o Workshop II de AWC, que será realizado presencialmente entre 17 e 19 de julho, os grupos terão que tomar a decisão entre manter ou pivotar. Os estudantes conheceram e começaram a elaborar o diagrama Petal, uma ferramenta de análise de concorrência e mercado. Para fechar o dia, a equipe de AWC apresentou a estrutura e os próximos passos do programa. Os grupos da 2ª chamada irão dar continuidade às entrevistas para validar as personas, resolver as suposições e dúvidas e começar a pensar no desenvolvimento do produto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Últimas notícias:
Conheça os selecionados da 2ª chamada de AWC 2017
Periodiza: feedbacks positivos e planos para crescer
NanoTropic inicia em dois programas de aceleração

 

19
jan

Apresentações dos projetos encerram Workshop I

O dia 19 de janeiro foi o último dia do Workshop I do programa Academic Working Capital – ao mesmo tempo, foi apenas o início de um intenso trabalho que os participantes realizarão em 2017. Na primeira atividade do dia, os grupos foram divididos em duas salas de aula do prédio da Engenharia Mecânica e Naval da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) para fazer uma apresentação de seus projetos, usando como base o deck de slides construído ao longo do workshop. Os estudantes explicaram suas propostas de valor, segmentos e personas de clientes, jornadas do usuário e o que aprenderam durante esse processo inicial.

Confira o que aconteceu no primeiro e no segundo dia do Workshop I

A equipe AWC deu orientações para os grupos aprimorarem suas apresentações e projetos e mais dicas para a realização das entrevistas, explicando como elas podem ser aproveitadas para solucionar as suposições e dúvidas da matriz CSD. Em seguida, os grupos fizeram as últimas entrevistas agendadas durante o workshop (pessoalmente, via Skype ou por telefone) e iniciaram contato com outros potenciais clientes e parceiros. O objetivo é que nos próximos três meses eles consigam realizar 100 entrevistas. Ao retornar, os estudantes puderam atualizar seus decks de slides conforme o feedback da equipe e o resultado das entrevistas.

Miguel Chaves, sócio da consultoria em inovação e design CAOS Focado, conversou com os participantes para retomar as principais ferramentas apresentadas durante o workshop: Value Proposition Canvas, matriz CSD, personas e jornada do usuário. Por meio de um esquema desenhado na lousa, ele mostrou como uma ferramenta está conectada a outra e que o funcionamento delas é um ciclo. “Essa é a maneira de fluxo que vocês vão trabalhar o ano todo. Isso é método científico. Vocês vão trabalhando, pesquisando, entrevistando, avaliando até saber se o que vocês têm é uma certeza”, disse.

O engenheiro mecatrônico e coordenador de AWC Diogo Dutra lembrou lições importantes aprendidas no workshop e explicou como será o fluxo de trabalho e as expectativas para os grupos nos próximos meses. “O mais importante nesse processo são as entrevistas. Não tomem decisões bruscas baseadas em uma entrevista só”, aconselhou. Até o primeiro Workshop Online, em 29 de abril, os estudantes continuarão as entrevistas e a atualização do deck de slides e participarão de reuniões de acompanhamento com a equipe de AWC. “Quem vai virar expert no cliente e na proposta de valor são vocês. Nós vamos assegurar que vocês estão falando com as pessoas certas, tomando as decisões certas e evoluindo nesse ciclo de aprendizado”, acrescentou Diogo.

Depois que Miguel explicou o funcionamento do suporte financeiro oferecido pelo programa, cada grupo teve 10 minutos para fazer uma nova apresentação de seu deck de slides atualizado. Diogo, Miguel, Marcos Barretto, coordenador acadêmico de AWC, e os membros da equipe do programa Artur Vilas Boas e André Dib se revezaram para comentar as apresentações.

No final, os estudantes compartilharam suas impressões sobre o Workshop I. “Vocês instigaram a gente, fizeram a gente pensar não só na tecnologia, mas em como vamos impactar a vida das pessoas”, comentou Rafael Cabral Pinto, estudante de Engenharia Mecatrônica do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). Gabriel Ribeiro Reis, aluno de Engenharia Mecatrônica da USP, destacou como positivo o fato de que os membros da equipe de AWC têm expertises em áreas distintas (engenharia, administração e comunicação), o que contribui para o desenvolvimento de diferentes aspectos do projeto.

Este slideshow necessita de JavaScript.