Workshop II do AWC traz inspiração para os alunos!

Realizado nos dias 20 e 21 de janeiro, o Workshop II do Academic Working Capital contou com a presença de alunos, palestrantes e convidados inspiradores.

 

Fonte: Arquivo

 

Dessa vez online, o encontro teve como objetivo encerrar o ciclo de validação do problema e iniciar a validação da solução. Durante os dois dias de evento, os participantes puderam tirar dúvidas com seus mentores e esclarecer como está o andamento dos projetos, seus desafios e conquistas.

 

No primeiro dia, o Workshop focou na definição de uma Proposta de Valor que realmente faça a diferença para o cliente e no Problem Solution Fit, que é o resultado de como transformar um problema em uma solução. Com a apresentação de Leandro Queiroz (Coordenador de conteúdo), os alunos tiveram uma verdadeira aula sobre como fazer isso da forma correta e criar recursos que façam sentido para o mercado do qual estão entrando. E, claro, tudo feito com muita troca de insights entre os estudantes, que tiveram uma participação ativa durante todo o evento.

 

Ainda no primeiro dia de workshop, o encontro contou com um depoimento muito rico e inspirador de Lucas Silva, que participou do programa na edição de 2020 e criou o projeto Bilíngua, uma startup voltada para a comunidade surda e que conta com um sistema de ensino de libras. Durante sua participação no evento, os alunos puderam entender quais foram as dificuldades de Lucas na criação de seu produto e como conseguiu definir a sua proposta de valor.

 

Em seguida, os participantes se juntaram com os mentores para uma orientação sobre como estruturar a solução do problema com a proposta de valor. De forma clara, cada mentor conduziu os grupos sobre como fazer essa definição através da identificação de padrões durante as entrevistas com os clientes, que nada mais é do que constatar o mesmo problema relatado por diferentes consumidores.

 

E para encerrar o primeiro dia com muita influência e entusiasmo, o evento finalizou com a participação do convidado Thiago Shimada, CEO da Academia da Marca, uma agência que tem como objetivo trazer o resultado desejado para empreendedores e seus negócios. Com seu depoimento inspirador, ele esclareceu a pergunta “É possível ser uma startup de um cliente só?”

 

Já o segundo dia de Workshop foi realizado de forma mais objetiva e prática, com a intenção de realizar a criação do MVP (Mínimo Produto Variável) e a Prototipação dos projetos, com a orientação de Fabio Zoppi, um dos mentores do programa. O MVP é uma metodologia utilizada no mundo do empreendedorismo para validar o potencial da ideia antes de investir definitivamente nela. Mas como fazer isso? Após definir a proposta de valor, os alunos ficaram responsáveis por fazer uma espécie de ‘teste’ para avaliar se o produto faz sentido para o mercado e, caso necessário, realizar melhorias no projeto com base nos feedbacks recebidos através deste teste. Zoppi deixa claro durante a sua orientação que, na prática, o MVP é um processo interminável dentro de uma startup, já que novas ideias surgem a todo momento.

 

Após muitos exercícios, mais dois depoimentos inspiradores: primeiro de Mariana Macedo, ex-participante do AWC em 2018, arquiteta e fundadora da Casoca, uma startup que tem como objetivo facilitar a vida de arquitetos através da disponibilização descomplicada de blocos 3D. Já a segunda convidada foi Anna Luisa Bezerra, também ex-participante da edição de 2018 do AWC e CEO da SDW, uma empresa que usa a tecnologia para garantir o acesso à água potável e saneamento básico. Durante todos os depoimentos, os alunos puderam tirar dúvidas e interagir com os convidados, a fim de receberem insights e se inspirarem para superar os desafios que enfrentam agora na criação de suas próprias empresas. O ponto em comum entre Mariana e Anna, é que ambas comentam que continuam usando a metodologia AWC, mesmo com suas empresas já em andamento.

 

E para encerrar o Workshop II, os participantes colocaram a mão na massa e focaram na criação definitiva do MVP, com a instrução dos seus mentores. Um final de semana de muito trabalho, mas também com muito avanço com os projetos e uma nova etapa que foi avançada. Agora, os alunos se preparam para a próxima Flipped, que acontece no dia 3 de fevereiro e tem como objetivo orientar os alunos a como realizar o experimento de validação.

 

 

 

O Instituto TIM tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano. Define sua atuação em projetos focados em quatro pilares: Ensino (projetos educacionais para crianças e jovens); Aplicações (soluções em software livre); Inclusão (difusão do conhecimento) e Trabalho (novas oportunidades de atuação e capacitação). Em parceria com diversas instituições federais e aproximadamente 70 secretarias municipais e estaduais, como de Educação, Cultura e Planejamento em todo o País, as ações do Instituto TIM já alcançaram cerca de 500 municípios, em todos os 26 estados e Distrito Federal, beneficiando mais de 700 mil pessoas, especialmente, crianças de 6 a 12 anos.