AWC REALIZA PRIMEIRO WORKSHOP DA EDIÇÃO 2023

Com 30 participantes, encontro presencial aconteceu em São Paulo, nos dias 23 e 24 de setembro

 

Workshop I AWC – Foto: Larissa Estevam[/caption]

 

A Academic Working Capital (AWC) está em sua 8ª edição, focando sua atividade no desenvolvimento dos participantes, para terem uma postura mão na massa, busca inquieta por perguntas e respostas  e a criação de soluções reais para problemas reais. 

 

Criado pelo Instituto TIM, em 2015, o projeto visa contribuir para “tirar do papel”  Trabalhos de Conclusão de Curso de graduação com potencial de criação de soluções que contribuam efetivamente para facilitar a vida das pessoas. Com isso, aposta na potencialização de novos negócios e novas tecnologias, ao mesmo tempo em que proporciona uma alternativa profissional aos futuros recém-formados e complementa a formação acadêmica com uma perspectiva da educação empreendedora.

 

O programa existe desde 2015 e ao longo desse tempo se consolidou e já atendeu estudantes de universidades de 15 estados  brasileiros (Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e o Distrito Federal). Além disso, já apoiou o desenvolvimento de mais de 190 projetos inovadores, com a participação de cerca de 508 estudantes de 70 universidades de todo o Brasil. A iniciativa tem uma abordagem única no universo dos programas de fomento, atuando ainda na graduação e estimulando o jovem a considerar um negócio próprio como alternativa de carreira. E vem dando certo: mais de 114 startups foram criadas em sete edições.  

 

Para somar a esses números, na edição de 2023 o AWC iniciou com 20 projetos e 62 estudantes. 

 

O AWC é composto por atividades presenciais e remotas, com workshops, encontros com mentoria, pits de apresentação de problemas e soluções, criação de protótipos e finaliza com uma grande feira de investimentos. A Feira de Investimentos, permite aos universitários participantes apresentarem seus projetos para profissionais do mercado e investidores-anjos. Tal evento já está previsto para acontecer em Abril de 2024 e visa também encerrar essa edição. Durante todo o percurso do AWC, os universitários participantes terão acompanhamento e monitoria à distância pelos mentores do programa, com suporte teórico e prático de toda a equipe executiva e pedagógica.

 

Os alunos integrantes do Academic Working Capital (AWC) 2023, saíram de diversas regiões do país para se encontrarem com seus mentores e convidados no espaço FAAP-B/Hub, em São Paulo. Em dois dias de evento, o primeiro Workshop teve a presença de Marcos Barretto, professor da Poli-USP, coordenador acadêmico da AWC responsável pela metodologia aplicada no AWC e Gabriela Bittencourt, especialista em Responsabilidade Social Corporativa, Impacto  Social e Sustentabilidade do Instituto Tim.

 

No primeiro dia do evento, os estudantes conheceram melhor sobre o programa, sua metodologia e foram apresentados aos seus mentores; parte fundamental de todo o processo AWC. Pois, os mentores, são os profissionais experientes que irão acompanhá-los e orientá-los durante os nove meses do programa. Além disso, puderam conhecer seus colegas e falar sobre os seus projetos, compartilhando ideias e trocando experiências.

 

O tema deste primeiro de três Workshops foi a identificação de problemas no mercado, ou seja, os estudantes aprenderam a como reconhecer as dificuldades de seus possíveis clientes e, com isso, oferecer o produto ideal e que faça sentido para os consumidores. Para ter certeza disso, no segundo dia, eles ficaram responsáveis por encontrar arquétipos de clientes para entrevistar durante essa primeira etapa do projeto.

 

O encontro contou com café da manhã, boas vindas, palestras de ex-integrantes do programa e muito mais. Marcos Barretto, um dos convidados, explicou a importância dos eventos presenciais: “O primeiro workshop é um congraçamento, então se põe todo mundo junto e a energia que aparece é um negócio mágico. O presencial tem uma energia realmente incrível e tem vários elementos.”

 

Workshop I AWC – Foto: Larissa Estevam

 

Barretto se autointitula como um conselheiro para os alunos, sendo visto como alguém que tem uma grande bagagem de experiência e que tem como objetivo a educação empreendedora, algo que não é muito debatido dentro das salas de aula nas universidades. “Normalmente, na universidade você cria pessoas para serem empregados ou para serem professores, acho que a gente precisa criar também pessoas para serem empreendedoras”, disse. Ele ainda destacou que empreender não é algo exclusivo de uma área profissional mas que, na verdade, alunos de qualquer curso podem fazer, desde que estejam dispostos a sair da caixinha. Não é à toa que dentro dos 20 projetos tem uma grande variedade de setores, entre eles: Letras, Medicina Veterinária, Agronomia, Engenharia Química e por aí vai.

 

O AWC tem o propósito de conectar jovens universitários com o mundo das startups, unindo a tecnologia com o empreendedorismo e mostrando que eles são os protagonistas das próprias histórias.

 

 

 

O Instituto TIM tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano. Define sua atuação em projetos focados em quatro pilares: Ensino (projetos educacionais para crianças e jovens); Aplicações (soluções em software livre); Inclusão (difusão do conhecimento) e Trabalho (novas oportunidades de atuação e capacitação). Em parceria com diversas instituições federais e aproximadamente 70 secretarias municipais e estaduais, como de Educação, Cultura e Planejamento em todo o País, as ações do Instituto TIM já alcançaram cerca de 500 municípios, em todos os 26 estados e Distrito Federal, beneficiando mais de 700 mil pessoas, especialmente, crianças de 6 a 12 anos.