AWC 2023: Saiba tudo o que rolou no primeiro Workshop Class da edição!

Foto: Arquivo

 

 

A Academic Working Capital (AWC) realizou no dia 25 de novembro o último encontro do ano com os participantes do programa, dessa vez, online. O objetivo do Workshop Class I era preparar os alunos para a etapa final de validação do problema e entender como estão sendo os resultados das entrevistas com potenciais clientes, além de tirar dúvidas e trazer novas possibilidades de análise.

 

Nessa etapa, os estudantes estão explorando o mercado no qual pretendem atuar para ter a certeza de que estão oferecendo o que o consumidor precisa. Para compreender melhor, o palestrante Leandro Queiroz citou o título de um livro sobre empreendedorismo, do autor Uri Levine: “Apaixone-se pelo problema, não pela solução”. Com essa frase, é possível ter uma boa ideia sobre qual a necessidade dos estudantes neste momento do projeto: encontrar a resposta para uma dificuldade, que muitas vezes nem o próprio cliente sabe que existe e, é claro, se apaixonar por isso. Mas, traz à tona um impasse que muitos alunos têm quando estão no começo das suas startups, que é aprimorar ou até mesmo mudar completamente as suas ideias, já que problematizar exige perceber muito mais camadas do que se apresenta de início. E por isso a importância da validação do problema e depois pensar em uma solução que de fato atenda as necessidades.

 

Para somar com todo esse conteúdo, o encontro contou ainda com a presença de convidados com startups de sucesso: como o Thiago, criador da E-shows, uma plataforma de contratação de artistas e a Raquel, fundadora da EntregAli, uma empresa que fornece armários inteligentes para condomínios e empresas. Com muita troca de ideias, os dois explicaram e deram dicas para os alunos sobre as dificuldades dos clientes, como superar os primeiros obstáculos e automatizar processos.

 

Além disso, teve também a participação de Lucas Robson, ex-participante da AWC que teve excelência na criação de sua startup, PetWalk, junto com seu sócio Filipe Leornes, que também participou do programa. A PetWalk é uma plataforma para serviços pet, que incluem: passeio, banho e tosa, pet sitter, hotelaria, adestramento, entre outras atividades.

 

Foto: Arquivo pessoal

 

 

“Na minha região é muito difícil você ter acesso a serviços e um dia eu estava precisando de uma pet sitter e não encontrei ninguém. Aí eu fui pesquisar na internet e encontrei algumas plataformas e eu já sabia que existia esses serviços, só não sabia como funcionava. E aí eu pensei ‘interessante isso daqui, acho que eu vou passar a usar esse tema aqui nos meus trabalhos da universidade”, disse Lucas.

 

Tanto o Lucas quanto o Filipe estudaram na Universidade Federal do Ceará, alunos dos cursos de Ciências da Computação e Sistemas de Informação. Os dois fizeram tentativas anteriores de criar startups, mas sem sucesso; até que conheceram a AWC e conseguiram validar e praticar os serviços que ofereciam. Lucas reforça que foi uma etapa essencial para a criação da PetWalk: “estar na AWC, além da experiência de estar com pessoas maravilhosas, com pessoas que realmente tem propriedade do que estão falando, em conduzir a gente pro caminho certo. Eu vejo também que foi uma experiência que abriu a nossa mente/ Sabe? De como a gente deve estar conduzindo as nossas ações. Ao meu ver, sem o AWC acho que a gente não teria passado da primeira dificuldade.” 

 

Para a startup chegar ao patamar que está hoje, os dois fundadores precisaram aprimorar os serviços que oferecem, já que a ideia inicial era proporcionar somente serviços pet sitter, e só tiveram conhecimento disso com a realização de 180 entrevistas com os possíveis clientes. Segundo o Lucas, esse processo os levou a entender o que os consumidores precisavam: “durante todo o processo de criação da startup, estruturação e validação a gente percebeu que tinha uma demanda muito grande também para outros serviços. Aí, a gente ‘pivotou’¹ para abrir uma plataforma de reserva de serviços pet.”

 

Em 2024, a AWC terá mais encontros entre os alunos participantes, a fim de promover mais trocas e compartilhar ideias. Nesta trilha, os participantes contarão com a continuação das mentorias individuais, workshops, Flipped Classroom, conhecida como “sala de aula invertida”, onde serão estimulados a participarem mais e a estarem no centro do processo de aprendizagem.

 

 

 

 

 

¹ Termo derivado do inglês ‘pivot’ que significa ‘girar’. Utilizado quando uma empresa precisa mudar a sua direção e analisar novas possibilidades, mas seguindo a mesma base de início.

 

 

 

 

 

O Instituto TIM tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano. Define sua atuação em projetos focados em quatro pilares: Ensino (projetos educacionais para crianças e jovens); Aplicações (soluções em software livre); Inclusão (difusão do conhecimento) e Trabalho (novas oportunidades de atuação e capacitação). Em parceria com diversas instituições federais e aproximadamente 70 secretarias municipais e estaduais, como de Educação, Cultura e Planejamento em todo o País, as ações do Instituto TIM já alcançaram cerca de 500 municípios, em todos os 26 estados e Distrito Federal, beneficiando mais de 700 mil pessoas, especialmente, crianças de 6 a 12 anos.