Instituto TIM

Categoria: Sem categoria

13
dez

Workshop III: treino de pitch prepara grupos para Feira de Investimentos

No período da manhã, a advogada Aline Quadros, da consultoria em propriedade intelectual HQ Advisory ministrou a palestra“Formalizando sua startup”. Ela explicou os motivos para formalizar e os tipos de empresas, orientou ter cautela com o contrato social, acordos de confidencialidade, entre outros pontos que são importantes para os jovens empreendedores. Na sequência, todos os grupos tiveram a oportunidade de praticar o pitch e receber feedback dos coachs da AWC e colegas via Slack.

O segundo dia do Workshop III, no dia 13 de dezembro, foi de trabalho intenso, ansiedade e expectativas para os grupos que concentraram esforços em ajustar os slides, materiais e treinar os pitches para a Feira de Investimento, que acontece no dia 14 de dezembro e encerra a jornada dos alunos no AWC 2018. A atividade aconteceu no prédio de Engenharia Mecânica e Naval da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP).

À tarde foram revelados os cinco grupos selecionados para apresentar o pitch à banca de investidores: Helidrop, vant para pulverização agrícola; Homeshelf, plataforma para busca e especificação de móveis e produtos de decoração,otimizando a comparação de preços e representação gráfica para arquitetos; Aqualuz, equipamento para gerar água potável de cisternas ou poços utilizando a radiação solar; Nextcam, câmera inteligente de processamento local para detecção de padrões humanos e Centrics, sistema de análise de satisfação e aprimoramento de atendimento.

Diogo Dutra, coordenador de conteúdo da AWC, aconselhou que os grupos  continuem exercitando o pitch. “É um exercício de síntese para trabalhar a voz, imagem e colocar o produto da maneira mais clara, sem perder tempo. Quanto mais treino mais vocês vão melhorar”, destacou.Depois os grupos se reuniram para afinar os últimos detalhes para a Feira de Investidores, enquanto as startups selecionadas receberam mais feedbacks da equipe da AWC.

Para finalizar as atividades, aconteceu a apresentação de pitch dos 5 selecionados para a banca, que contaram com a plateia dos outros grupos e tinha um espectador especial, Márcio Lino, diretor do Instituto Tim. Segundo Lino, a educação é o pilar para o desenvolvimento do país. “Nós ficamos muitos felizes de apoiar uma iniciativa como essa, porque falta inovação e empreendedorismo associado a inovação. Ver os projetos, os pitches e que vocês estão começando a trabalhar com soluções viáveis é muito prazeroso pra gente. Todos estão de parabéns por conseguir realizar e mentorar trabalhos como esse”, ressaltou.

Com o certificado em mãos, os participantes e equipe da AWC compartilharam suas impressões sobre o programa e agradecimentos. “Vocês fomentam na gente o que perdemos ao longo da vida. Eu trabalhei por um tempo numa multinacional e para eles, sentia que eu era apenas uma ferramenta. Mas vocês mostram o que fazemos e acreditam no meu trabalho”, afirmou Alessandro Ricardo Ferreira, do grupo AhGreen.

Já Gabriel Delage do grupo ECGP destacou a importância de uma nova perspectiva. “Eu sou aluno da USP e durante a graduação ouvi várias palestras de consultores, pessoas que trabalham em banco e percebi que não era o que eu projetava. Um dia o Miguel Chaves fez uma palestra e contou como foi o processo de abertura da startup, fiquei motivado com o modelo de negócios que pode impactar a realidade. É muito bom ter essa oportunidade, correr atrás desse sonho e fazer algo que pode impactar a vida das pessoas”, disse.

13
dez

Estudantes discutem modelos de investimentos e criam pitches no Workshop III

O Workshop III de AWC reuniu 22 grupos no dia 12 de dezembro, no prédio de Engenharia Mecânica e Naval da Escola Politécnica da Universidade São Paulo (Poli- USP). O primeiro dia do evento preparatório para a Feira de Investimentos que acontece na próxima sexta, 14, promoveu discussões fundamentais para consolidar a solução desenvolvida ao longo do programa com foco nos modelos de investimento e formas de convencer o cliente a adquirir o produto.

O coordenador de conteúdo Diogo Dutra ministrou a palestra “Como acessar funding?”, apresentando todos os mecanismos existentes, vantagens e desvantagens. Dutra ressaltou a importância de entender o momento que a startup vive e refletir sobre a necessidade de buscar investidores. “Mais importante que o dinheiro é saber quem é o anjo. É importante conhecer quem está entrando para ajudar no seu negócio”, aconselhou.  Além de buscar outras alternativas como PIPE (Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas – FAFESP), Hack Brazil e outras premiações.

awc_12_2018_0044

Ainda durante a manhã, os alunos realizaram a primeira atividade prática que consistia em pesquisa de apoios, prêmios e competições para as startups pós-AWC. Rafael Silva Montes, que é um dos fundadores da tecnologia Wavis considera que o programa foi desafiador por mostrar os passos iniciais de formação da startup, a investigação do problema e a solução. “Empreender é movimentar-se sempre, agir rápido e investigar as soluções. Foi uma experiência muito válida e ano que vem vamos investir mais esforços para evoluir a tecnologia”, contou.

Para Matheus Ambrosi, desenvolvedor do Centrics, foi uma experiência completa já que ele desejava montar uma empresa. “Passamos por todas as etapas e o que mais agregou foi aprender com quem já passou por isso e as conexões que fazemos ao longo do programa”, destacou.

O principal tema do dia foi o pitch, apresentado pelo coach Artur Vilas Boas. Ele mostrou quatro tipos de pitches e compartilhou dicas para organizar o raciocínio e construir uma narrativa sólida que será apresentada em no máximo 4 minutos para os investidores. “É importante conquistar com clareza, objetividade e ter respostas para possíveis perguntas, porque mostra ao investidor que você está preparado”, disse.

awc_12_2018_0016 awc_12_2018_0282 awc_12_2018_0396

 

No período da tarde, o coach Rodrigo Franco falou do design nas apresentações e em seguida os estudantes criaram suas primeiras versões de pitch. Apresentaram e receberam feedback dos coachs.

Para encerrar o primeiro dia de Workshop III, os alunos assistiram a palestra de Marcus Roggero, engenheiro civil, co-fundador e CPO da InfoPrice. Roggero contou a trajetória da startup que surgiu em 2013 para mostrar as dificuldades e conquistas de um empreendedor. Ele também compartilhou as experiências com a criação do produto, negociação de contrato e investidores. “Empreender têm muitas situações difíceis e com o peso adicional da vida pessoal, pode ficar ruim, mas você não pode desistir, porque existem pessoas que contam com você e os fundadores precisam mostrar que estão fazendo o melhor”, declarou.